L O A D I N G

Tire suas dúvidas sobre o escapulário de Nossa Senhora do Carmo

Em 16 de julho, celebramos Nossa Senhora do Carmo, cujo escapulário é famoso em todo mundo e uma popular devoção mariana. Mas você sabe quem pode usá-lo e como fazer uso dele corretamente?

É necessária alguma benção antes de usar o escapulário?

O primeiro escapulário que você usar precisa obrigatoriamente ser imposto sobre você, em rito apropriado, por algum sacerdote ou diácono ou outras pessoas autorizadas pela Igreja. O padre irá fazer uma oração e colocar o escapulário em seu pescoço. Tradicionalmente, a imposição acontece em 16 de julho, dia de Nossa Senhora do Carmo.

Quando um escapulário arrebentar, é preciso fazer a imposição sobre o novo?

Depois que o objeto estiver gasto ou arrebentar, o próprio fiel pode colocar o novo sobre si mesmo, sem necessidade de nova imposição. Isso acontece porque, com a imposição do primeiro escapulário, a benção se transfere para a pessoa que o recebeu, pois ela se torna um membro da família carmelita.

Qual o formato adequado?

O escapulário apresentado por Nossa Senhora era uma faixa longa de tecido marrom, com dois pedaços de pano unidos em tiras, como uma veste que se coloca sobre o pescoço, lembrando um avental. Recebeu este nome pois deveria ser colocado sobre as escápulas, por cima do hábito dos religiosos carmelitas. Mais tarde, este formato foi adaptado para que os leigos também pudessem usar, composto por dois pedaços de pano ligados por um cordão; em uma ponta fica a imagem de Nossa Senhora do Carmo e, na outra, a imagem do Sagrado Coração de Jesus. Durante a cerimônia de imposição, deve-se usar a forma tradicional, Posteriormente, esse item pode ser substituído por uma medalha apropriada, conforme autorização papal concedida em 1910. No entanto, é preciso cuidado para que o escapulário torne-se apenas uma joia ou objeto de adorno, perdendo seu valor devocional. 

É preciso ganhar ou se pode comprar o escapulário?

Pela tradição, o escapulário deveria ser ganho, como um sinal de que a pessoa estava recebendo a proteção de Deus. Mas não existe nenhuma regra real neste sentido. Mais importante do que o fato de ter comprado ou ganhado o escapulário é o compromisso que se assume com Maria no momento da imposição. 

A origem do escapulário

A história do escapulário de Nossa Senhora do Carmo está atrelada à ordem religiosa dos carmelitas, nascida no século XI no Monte Carmelo, uma colina na Terra Santa considerada sagrada. Quando foram expulsos da região pelos muçulmanos, os carmelitas se espalharam pela Europa, mas foram perseguidos e hostilizados por outras ordens religiosas. 

Em meio à tribulação, no dia 16 de julho de 1251, o então superior geral da ordem, São Simão Stock, pediu a Nossa Senhora um sinal de Sua proteção que fosse visível não apenas aos religiosos da ordem, mas também aos adversários. A Virgem, então, lhe apareceu e entregou o escapulário, dizendo: “Recebe, filho amado, este escapulário. Todo o que com ele morrer, não padecerá a perdição no fogo eterno. Ele é sinal de salvação, defesa nos perigos, aliança de paz e pacto sempiterno”.

Depois dessa aparição, os carmelitas se expandiram e se tornaram uma das maiores ordens da Igreja Católica. 

A relação entre a última aparição em Fátima e o escapulário de Nossa Senhora do Carmo

Na aparição de 13 de outubro de 1917 na Cova da Iria, no Milagre do Sol, Nossa Senhora uniu três devoções: Seu Imaculado Coração, a oração do Rosário e a espiritualidade do Escapulário. 
Após a visão habitual da Virgem, os pastorinhos presenciaram várias cenas. Primeiro viram São José com o menino Jesus no colo, ao lado de Maria como Nossa Senhora do Rosário. Em seguida, Ela apareceu como Nossa Senhora das Dores, junto o Filho, que abençoava o mundo fazendo o sinal da Cruz. Por último, a Virgem Santíssima mostrou-se como Nossa Senhora do Carmo, tendo o Escapulário à mão.É atribuída a essa visão a vontade da vidente Lúcia de ingressar no Carmelo, tornando-se carmelita de clausura ao longo de toda sua vida.

Nossa Senhora do Carmo, rogai por nós! 

0 Comments