L O A D I N G

O que são anjos, ancanjos e coros de anjos?

O Catecismo da Igreja Católica (CIC) atesta que a “existência dos seres espirituais, não-corporais, a que a Sagrada Escritura habitualmente chama anjos, é uma verdade de fé. O testemunho da Escritura é tão claro como a unanimidade da Tradição” (§ 328). Mas o que são exatamente os anjos e como eles estão organizados? 

A palavra “anjo” deriva do termo latino “angelus”, que significa “mensageiro”. Segundo o Catecismo, “Com todo o seu ser, os anjos são servos e mensageiros de Deus. Pelo facto de contemplarem «continuamente o rosto do meu Pai que está nos céus» (Mt 18, 10), eles são «os poderosos executores das suas ordens, sempre atentos à sua palavra» (Sl 103, 20)” (§ 329).

São criaturas puramente espirituais, dotadas de inteligência e de vontade. São pessoais e imortais. Ainda de acordo com o CIC, eles excedem em perfeição todas as criaturas visíveis. “Eles jamais poderão morrer, porque são iguais aos anjos e são filhos de Deus, porque são ressuscitado” (Lucas 20,36). 

Qual é a diferença entre um anjo e um arcanjo?

A palavra “arcanjo” é uma variação de “anjo” acrescida do prefixo “arch-“, que denota o conceito de “principal”, “superior”. Assim, os arcanjos são os “mensageiros principais” de Deus. Eles estão no alto da hierarquia angélica. Além dos anjos da guarda, seriam a única classe de anjos que interage com os homens.

São os arcanjos os porta-vozes das mensagens mais importantes a serem repassadas aos humanos, como no episódio da Anunciação, quando São Gabriel deu à Maria a notícia de que ela daria à luz o Salvador.

Quantos arcanjos aparecem na Bíblia?

Segundo a Bíblia seriam sete os anjos, mas os livros sagrados só revelam os nomes de três: Miguel, Rafael e Gabriel.

A Igreja Católica, através de diversos concílios, desencoraja a prática de atribuir nomes aos anjos que não sejam os arcanjos Gabriel, Rafael e Miguel. Em antigas escrituras judaicas e em algumas orações são mencionados os nomes de outros quatro anjos. Mas as autoridades eclesiais alertam que não se sabe se os nomes dos demais são inspirados por Deus, se são simplesmente uma invenção humana ou se tratam-se das denominações de anjos decaídos, aqueles que se tornaram espíritos malévolos.

Qual a hierarquia dos anjos?

A Igreja definiu três grupos de anjos, organizados de forma hierárquica. Cada um deles é dividido em três coros. 

1. Serafins, Querubins e Tronos

Os três coros da primeira hierarquia glorificam a Deus: “Vi o Senhor sentado sobre um alto e elevado trono (…) os Serafins estavam sobre o trono, clamavam um ao outro e diziam: ‘Santo, Santo, Santo é o Senhor Deus dos exércitos’ (Is. 6, 1-3). 

Serafins: assistem ante o trono de Deus e estão unidos a Ele de maneira mais íntima, na caridade.

Querubins: também assistem ante o trono de Deus e enxergam a verdade de maneira superior a todos os outros Anjos que estão abaixo deles.

Tronos: da mesma forma como serafins e querubins, assistem ante o trono de Deus, mas sua missão auxiliar os anjos inferiores.

2. Dominações, Virtudes e Potestades

Os coros da segunda hierarquia cuidam da conduta geral do universo. 

Dominações: controlam todas as ordens angelicais encarregadas de executar a vontade de Deus, distribuindo aos anjos inferiores suas funções e seus ministérios.

Potestades: são “condutores da ordem sagrada”, responsáveis pelas grandes ações que conduzem o governo do mundo e da Igreja. Para isso, operam prodígios e milagres extraordinários.

Virtudes: são encarregados de eliminar os obstáculos que se opõem ao cumprimento das ordens de Deus, entre eles os anjos maus.

3. Os Principados, os Arcanjos e os Anjos

Os coros da terceira hierarquia estão relacionados à conduta particular dos países, das instituições e das pessoas.

Principados: são os que presidem os reinos, as províncias e as dioceses.

Arcanjos: são enviados por Deus como mensageiros em missões de maior importância junto aos homens.

Anjos: guardam cada pessoa em particular, encaminhando-a ao bem e desviando-a do mal, defendendo-a contra seus inimigos visíveis e invisíveis.

0 Comments