Três fatos sobre a quarta-feira de cinzas

A imposição das cinzas marca o início da Quaresma, tempo de penitência e arrependimento em preparação para a Ressurreição de Cristo. Desde os tempos bíblicos, as cinzas são símbolo de fugacidade e da precariedade da vida humana. Durante a Santa Missa, após a homilia, o ministro põe a cinza sobre a testa do fiel, formando uma cruz, e pronuncia as seguintes palavras: “lembra-te de que és pó e ao pó retornarás”.

1. Qual o significado das cinzas impostas na Quarta-feira de Cinzas?

Este sacramental nos remete simbolicamente à lembrança da efemeridade: todo tipo de vida que está sobre a terra vai perecer e morrer. As flores brotam e murcham, as crianças crescem e envelhecem, os animais também têm um ciclo de vida determinado. Aqui, para garantirmos nossa sobrevivência, precisamos renovar diariamente uma série de procedimentos: alimentar-nos, tomar banho, escovar os dentes, limpar a casa, lavar roupa.  Aqui, nada é duradouro e nossa vida é precária. A lição que Deus quer nos dar com isso é que esta vida é apenas uma passagem. Não devemos nos apegar a ela, mas vivê-la da melhor forma possível, buscando o aperfeiçoamento do espírito, a fim de alcançar uma vida duradoura, eterna e perene junto ao Pai.

2. De onde vêm as cinzas usadas na Quarta-feira de Cinzas?

As cinzas utilizadas na cerimônia vêm da queima dos ramos abençoados no Domingo de Ramos do ano anterior. Elas recebem água benta e são aromatizadas com incenso.

3. Quanto tempo é preciso ficar com as cinzas na testa?

Não há um tempo específico para mantê-las. O fiel pode retirar as cinzas quando quiser, pois o que importa é menos o sinal externo e mais a postura interior de penitência e conversão que ele deve suscitar.