O que realmente é segredo de Fátima?

Há muita confusão em torno do Segredo de Fátima. Lendo cuidadosamente os escritos deixados pela Irmã Lúcia, compreendemos que há dois tipos de segredo: aquele que é parte do mistério de Fátima, dividido em três partes, e um outro, que na verdade é apenas uma vontade dos pastorinhos de manterem para si detalhes das aparições.

Certa vez, após a segunda aparição, disse Jacinta: “Esta gente fica tão contente só por a gente Ihe dizer que Nossa Senhora mandou rezar o terço e que aprendesses a ler! O que seria, se soubessem o que Ela nos mostrou em Deus, no Seu Imaculado Coração, nessa luz tão grande! Mas isso é segredo, não se lhes diz. É melhor que ninguém o saiba” (Memórias da Irmã Lúcia, pág 144).

Não se trata aqui do Segredo de Fátima em si, mas uma vontade de manter silêncio, algo imposto pela força do sobrenatural. Imagine o impacto que as aparições provocaram nos pequenos! Imagine as sensações de euforia e receio que se misturavam em seus corações! Certamente havia muito desejo de guardarem somente para si as belas imagens da aparição e de tudo que Nossa Senhora vinha lhes revelando.

Este “segredo” é muito diferente do segredo em três partes que foi revelado pela Virgem aos pastorinhos em julho de 1917. A primeira refere-se à visão do inferno, com seu mar de fogo, demônios e almas em profundo sofrimento, gemendo e chorando de dor. A segunda parte é o pedido pela consagração da Rússia ao Imaculado Coração de Maria, que só se concretizou efetivamente em 1991. A terceira parte do Segredo referia-se à imagem de um anjo com uma espada de fogo em uma das mãos, do lado esquerdo de Nossa Senhora. O anjo apontava para a Terra com a outra mão e exclamava três vezes: “Penitência!”. Em um clarão de luz, estava o papa, que subia uma montanha e rezava pelas almas dos cadáveres que jaziam pelo caminho. Ao fim, o Santo Padre foi morto por soldados.

Sobre esta imagem, sim, Nossa Senhora pediu aos pastorinhos que nada fosse revelado: “Isto não o digais a ninguém” (Memórias da Irmã Lúcia, pág 177). E assim, fizeram os pastorinhos:

“passado o dia 13 de Julho, dizíamos:

– Nossa Senhora disse-nos que não o disséssemos a ninguém – referindo-nos, então, ao segredo imposto por Nossa Senhora.” (Memórias da Irmã Lúcia, pág 144)