Qual a função do anjo da guarda?

O anjo da guarda, como o nome sugere, tem a tarefa de nos “guardar”. Ele nos protege dos ataques do demônio e nos guia rumo à santidade. “Vou enviar um anjo adiante de ti para te proteger no caminho e para te conduzir ao lugar que te preparei. Está de sobreaviso em sua presença, e ouve o que ele te diz” (Ex 23, 20-21).

Segundo o Catecismo da Igreja Católica, “a existência dos seres espirituais, não-corporais, a que a Sagrada Escritura habitualmente chama anjos, é uma verdade de fé. O testemunho da Escritura é tão claro como a unanimidade da Tradição” (§ 328). “Eles são criaturas pessoais e imortais, puramente espirituais, dotados de inteligência e de vontade e superam em perfeição todas as criaturas visíveis” (CIC § n.330).

Com tal natureza e missão, os anjos nos aconselham coisas boas, nos encaminham para as virtudes, nos enchem a mente de bons pensamentos e nos apresentam exemplos de bondade. Também nos cercam para evitar que o perigo nos atinja e trabalham para nos afastar do pecado. “O anjo do Senhor acampa ao redor dos que o temem e os salva” (Sl 33,8).

Podemos – e devemos – invocar nosso anjo da guarda quando estamos com problemas, em dúvidas sobre como agir em certas situações, quando estamos com medo ou precisando de conselhos. O papa Pio XI recomendava até recorrer ao anjo quando vamos conversar com uma pessoa com quem não nos damos muito bem: “Quando precisamos falar com uma pessoa que tem dificuldade de entender nossos argumentos e com quem nossa linguagem deve ser ainda mais persuasiva, recorremos ao nosso anjo da guarda. Recomendamos o caso para ele. Pedimos que ele intervenha com o anjo da guarda da pessoa que vamos encontrar. O acordo sendo assim estabelecido entre os dois anjos, a conversa se torna muito mais fácil”.

E você, já rezou para o seu anjo da guarda hoje?