O bispo que ajudou João Paulo II na consagração da Rússia a Nossa Senhora

Apesar das tentativas anteriores do papa João Paulo II de consagrar a Rússia a Nossa Senhora, Irmã Lúcia indicou, por orientação da Virgem, que o pedido ainda não tinha sido plenamente atendido.

Para responder à solicitação da Mãe do Céu, no final de 1983, o pontífice enviou uma carta a todos os bispos do mundo, pedindo que, em 1984, o Ano Santo da Redenção – comemoração feita pela Igreja para celebrar a data jubilar da morte de Cristo –, renovassem em união com ele a consagração do mundo ao Imaculado Coração de Maria. O dia escolhido foi 25 de março, exatos 34 anos atrás.

Para essa celebração, foi levada ao Vaticano a imagem que era venerada na Capelinha das Aparições do Santuário de Fátima. Mas, desta vez, não bastaria que os bispos fizessem simultaneamente a consagração em diversas partes do mundo. Era preciso que o ato também fosse realizado na Rússia.

A grande dificuldade era levar um bispo ao país, que naquela época perseguia fortemente a Igreja Católica Apostólica Romana e seus fiéis. A missão era perigosa, mas um corajoso bispo aceitou o desafio proposto por João Paulo II. Foi montada uma minuciosa operação, digna de um filme de Hollywood. Dom Llinica, um bispo da então Tchecoslováquia, seguiu para Moscou disfarçado de cidadão comum. Levava no bolso dois pequenos frascos de remédio, contendo vinho e água, além de um pedaço de pão e dos textos da missa e da consagração.

Chegando lá, o religioso comprou um jornal russo de folhas grandes e largas chamado Pravad (termo russo que significa “verdade”) e dirigiu-se ao Kremlin, no centro de Moscou. De forma bastante discreta, abriu o jornal e celebrou a missa. Em plena praça, após a celebração disfarçada, Dom Llinica finalmente realizou a tão aguardada consagração da Rússia!

“Mãe da Igreja, iluminai o povo de Deus nos caminhos da fé, da esperança e da caridade. Iluminai, de modo especial, os povos dos quais Vós esperais a nossa consagração e a nossa entrega. (…) Oh, Imaculado Coração, ajudai-nos a vencer a ameaça do mal, que se enraíza tão facilmente nos corações dos homens de hoje e que, nos seus efeitos incomensuráveis, pesa já sobre a vida presente e parece fechar os caminhos do futuro”, disse o bispo durante o ato de consagração.

Após isso, em correspondência de 29 de agosto de 1989, irmã Lúcia confirmou que a consagração da Rússia “Sim, está feita tal como Nossa Senhora pediu, desde o dia 25 de março de 1984”. Pouco depois, em 9 de novembro de 1989, o mundo assistiu a queda do Muro de Berlim e, em 25 de dezembro de 1991, a dissolução da União Soviética. Difícil não acreditar que esses fatos históricos não tiveram relação com a consagração.

Essa é uma das histórias relativas à mensagem de Fátima que eu e Kenya contamos na obra Fátima, lançada pela Globo Livros. Você já tem o seu exemplar?