O que a Igreja nos fala sobre a morte?

Embora o homem seja um ser mortal, Deus não pretendia destiná-lo à morte. Feito à sua imagem e semelhança, o ser humano tinha sido criado para a vida. Como então o homem foi levado à morte? E você sabe o que a Igreja fala sobre o fim da nossa vida terrestre?

Foi o pecado original, a desobediência a Deus, que nos levou a conhecer a finitude da carne. Segundo o Catecismo da Igreja Católica (§1008), “‘A morte corporal, à qual o homem teria sido subtraído se não tivesse pecado’ (GS, 18), é, assim, o ‘último inimigo’ do homem a ser vencido (1Cor 15,26)”.

Foi graças a Jesus Cristo, que deu Sua vida humana por nossa salvação, que a morte ganhou um sentido positivo. A morte física não é o fim. Ao contrário, é o início de uma vida nova, plena, junto a Deus. “A morte é o fim da peregrinação terrestre do homem, do tempo de graça e de misericórdia que Deus lhe oferece para realizar sua vida terrestre segundo o projeto divino e para decidir seu destino último”, nos ensina o Catecismo (§1013).

Ainda de acordo o Catecismo (§1051), “Cada homem, em sua alma imortal, recebe sua retribuição eterna a partir de sua morte, em um Juízo Particular feito por Cristo, juiz dos vivos e dos mortos”. A partir daí, podemos ir direto para o céu; ir para o purgatório nos purificarmos; ou receber condenação perpétua e ir para o inferno, o que rezamos e desejamos firmemente que não aconteça.