Família, santuário da vida

Caros amigos, em poucos “lugares” da criação Deus encontrou tanto material para revelar-se como na família. Ela é uma instituição natural que remete à bondade do Criador que nos fez para a comunhão e o amor, e não para o isolamento e o egoísmo. Quando Deus revelou a verdade sobre sua própria Vida, se revelou como Pai, Filho e Espírito Santo, nomes com uma clara inspiração na família e que, ao mesmo tempo, superam todas as relações familiares, que tem na Trindade seu mais alto modelo e ideal.

O ser humano é naturalmente dependente de uma primeira comunidade familiar para seu crescimento, instrução e natural sobrevivência no planeta. Também no inefável mistério da Encarnação do Verbo, quis Deus que Jesus Cristo nascesse em uma família, assumindo nossa natureza e ficando para sempre gravado em nossa genealogia. Assim, a família, inscrita no coração do ser humano, está em primeiro lugar presente no plano amoroso de Deus Uno e Trino.

O ambiente que está se formando em nossa sociedade é feito de contínuos ataques à família como instituição. Delega-se ao arbítrio individual algo que tem necessário nexo comunitário: olvidam-se os direitos do nascituro de nascer em uma família, obrigam-se os indivíduos a relacionamentos descomprometidos que terminam em destruição e tristeza, quebram-se os vínculos de gerações, tão importantes para a estabilidade pessoal e social, e trocam-se os papéis próprios da natureza dos gêneros, prenunciando um verdadeiro caos social, já anunciado por sociólogos do mundo inteiro e, inclusive, vivido por muitos países ditos “desenvolvidos”.

Quando a ordem natural é negada, forma-se um frontal ataque à subsistência da vida humana no planeta. A este respeito falava o papa emérito Bento XVI no número 44 da carta encíclica Caritas in veritate, caridade na verdade. O espaço dedicado a esta reflexão nos impede de transcrever todo o seu riquíssimo ensinamento, que versa sobre a progressiva mudança da ética e dos verdadeiros valores humanos, para uma estética insana, baseada somente em valores hedonistas e subjetivos que trazem o colapso da civilização tanto em seu aspecto espiritual, como também no nível econômico e social.

Hoje fala-se muito de “ecologia”, afirmo que é urgente o cuidado da vida em nosso planeta, a começar por este importante aspecto ecológico que é o cuidado do próprio homem, pois a ele foi confiado o cuidado do mundo, e, sem ele, a vida deixa de ter sentido e finalidade última. Que Deus abençoe as famílias!