O que é indulgência plenária?

O termo “indulgência plenária” foi amplamente noticiado recentemente, quando o papa Francisco concedeu esse tipo de indulgência a todos em função da pandemia de Covid-19. Mas você sabe o que isso significa? Segundo o dicionário, a palavra indulgência é derivada do verbo indulgenciar, ou seja, perdoar. O Catecismo da Igreja Católica (1498) nos diz que “Pelas indulgências, os fiéis podem obter para si mesmos e também para as almas do Purgatório a remissão das penas temporais, consequências dos pecados”.

Penas eternas e penas temporais
Quando pecamos, somos condenados a uma pena eterna, que é ir para o inferno após a morte. Pelo sacramento da confissão, o sacerdote nos perdoa dessa pena eterna, mas nosso coração ainda não está puro. Essa desordem emocional decorrente do pecado é o que chamamos de pena temporal. Ela normalmente é remida através de práticas penitenciais ou, quando a pessoa morre, da permanência no purgatório. A terceira possibilidade é a indulgência.

Indulgência plenária X indulgência parcial
A parcial, como o nome sugere, redime apenas parte da pena que a pessoa teria que cumprir no purgatório. Já plenária, livra-a completamente da pena temporária.
Para receber a indulgência plenária, há três condições: a confissão, a comunhão e a oração pelo Santo Padre, o Papa. Além disso, a pessoa deve estar em estado de graça, disposta a abandonar qualquer tipo de pecado, inclusive o venial, e cumprir uma obra indulgenciada (ex: fazer visita a um cemitério, a uma Igreja ou a um santuário; realizar uma peregrinação, entre outros).

Indulgência plenária em tempos de Covid
Um decreto da Penitenciaria Apostólica publicado no final de março oferece a possibilidade de obter a Indulgência plenária para os fiéis enfermos com coronavírus, bem como para os profissionais de saúde, familiares e todos aqueles que cuidam deles de qualquer forma, até mesmo através da oração. O documento diz que para obtê-la, essas pessoas poderão simplesmente recitar o Credo, o Pai-Nosso e uma oração a Maria.
Os fiéis que não integram esse grupo poderão escolher entre várias opções: visitar o Santíssimo Sacramento ou a adoração eucarística; ler as Sagradas Escrituras por pelo menos meia hora; rezar o Terço, a Via-Sacra ou o Terço da Divina Misericórdia, pedindo Deus, a cessação da epidemia, o alívio para os doentes e a salvação eterna daqueles a quem o Senhor chamou a si.

Origem das indulgências
Essa prática tem origem nos primórdios da Igreja. Em consonância com a ideia de que a Igreja e todos os seus fiéis são um só corpo, as indulgências decorreram dos frequentes pedidos feitos a bispos por mártires perseguidos pelo Império Romano para que a penitência de suas mortes pudesse remir os pecados de outras pessoas. Na prática, elas se ofereciam para cumprir, com a própria vida, a pena dos outros.