Lúcia retorna a Fátima 83 anos depois das aparições

Foi no ano de 2000, depois de muito tempo de vida conventual, que a Irmã Lúcia voltou a Fátima. A ocasião era especialíssima: a beatificação dos primos Francisco e Jacinta, que, com ela, haviam testemunhado as aparições de Nossa Senhora na Cova da Iria em 1917.

Exatamente 83 anos depois, ela voltava ao mesmo lugar em que se passaram os acontecimentos que mudaram radicalmente a sua vida. A capelinha erguida a pedido de Nossa Senhora ainda estava ali. Mas o que antes era uma área de pastoreio, tinha se tornado um grande santuário, onde milhares de fiéis se aglomeravam para acompanhar a cerimônia de beatificação.

Na esplanada lotada e bem próxima ao papa São João Paulo II, ela ouviu os peregrinos cantarem o refrão “Cantemos alegres a uma só voz, Francisco e Jacinta, rogai por nós”. Sem dúvida, aquele foi um momento de intensa emoção para uma mulher que dedicou toda a sua vida a uma missão que move milhões de fiéis ao redor do mundo e que pôde ver reconhecida pela Igreja toda a entrega de seus primos.

Depois de tanta desconfiança, escárnio e até humilhação sofridos especialmente quando eram crianças, mas também ao longo dos anos, Lúcia via ali reconhecida a devoção e o sacrifício que ela, Jacinta e Francisco dedicaram à difusão da mensagem de Nossa Senhora. Antes de retornar ao Carmelo de Coimbra, a religiosa ainda peregrinou pelos lugares de sua infância, relembrando tudo o que vivera até então.

Essa é uma das histórias que eu e minha esposa Kenya contamos em Fátima (clique aqui para comprar), publicado pela Globo Livros. Já tem o seu exemplar?