Evangelhos canônicos X apócrifos: tire todas as suas dúvidas!

Recentemente conversamos aqui sobre o que significa a palavra Evangelho. Mas as pessoas ainda têm muitas dúvidas sobre o assunto. A principal delas é a diferença entre os evangelhos canônicos e os apócrifos. Por isso, hoje, trazemos todas as informações para você entender tudo sobre o tema!

Os Evangelhos que estão na Bíblia são os canônicos

Os quatro Evangelhos que integram o Novo Testamento são os únicos aceitos pela Igreja como inspirados por Deus. Eles foram escritos por Marcos, Mateus, João e Lucas na primeira metade do século I, quando os apóstolos ou seus discípulos diretos ainda eram vivos. Neles, conhecemos com profundidade a trajetória de Jesus e o Mistério da Salvação, através da narrativa de diversas passagens da vida, morte e Ressurreição de Cristo. Foram escritos para transmitir a “Boa Nova”, como pediu o próprio Salvador, ajudando na formação das primeiras comunidades cristãs.

Por que esses textos se chamam “canônicos”?

O termo “canônico” deriva de “cana”, vara muito usada antigamente para medir os limites. Ou seja, a palavra é empregada para delimitar o perímetro dos textos sagrados que entraram no “cânon” da Bíblia católica – 73 livros, sendo 46 do Antigo Testamento e 27 do Novo Testamento.

Como foram escolhidos os Evangelhos canônicos?

Esses textos não foram escolhidos ao acaso. A seleção foi resultado de um longo e minucioso processo de discernimento que começou dentro da Igreja ainda no século II e que se estendeu por séculos, até ser ratificada pelo Concílio de Trento, em 1546.

O que são, então, os evangelhos apócrifos?

A palavra “apócrifo” vem do grego e significa “oculto” ou “escondido”. Ganhou esse nome porque foram escritos para grupos específicos, fechados, e que deveriam circular somente entre membros dessas comunidades ou seitas. Eles também tratam de fatos da vida de Jesus e de alguns personagens presentes nos Evangelhos canônicos, mas não foram aceitos pela Igreja porque são considerados pouco confiáveis. Afinal, eles foram formulados a partir do final do século II, numa época em que já tinham morrido os apóstolos e todas as pessoas que testemunharam os acontecimentos ligados à vida e morte de Jesus e à vida das primeiras comunidades cristãs. São conhecidos pouco mais de 50 evangelhos apócrifos.

Como são os evangelhos apócrifos?

Nem todos se conservaram ao longo da história, mas observando aqueles que resistiram vemos que, em geral, tinham caráter lendário e eram cheios de fantasia. Diversos, embora bastante fantasiosos, estavam em acordo com a doutrina da Igreja. Mas outros apresentavam um caráter herético-gnóstico. O gnosticismo foi um movimento filosófico-religioso que desenvolveu-se sobretudo no Norte da África, nos séculos II e III. Ao produzir tais textos, os líderes gnósticos pretendiam dar veracidade e validar suas teses e crenças.