Festa da Apresentação do Senhor no Templo

A liturgia nos convida hoje a celebrar a festa da Apresentação do Senhor no Templo. Narrado no Evangelho de São Lucas, esse episódio nos revela a consagração do menino Jesus a Deus, como de costume na época e como previsto nas Escrituras:

“Concluídos os dias da sua purificação segundo a Lei de Moisés, levaram-no a Jerusalém para o apresentar ao Senhor, conforme o que está escrito na Lei do Senhor: ‘Todo primogênito do sexo masculino será consagrado ao Senhor’ (Ex 13,2); e para oferecerem o sacrifício prescrito pela Lei do Senhor, um par de rolas ou dois pombinhos. Ora, havia em Jerusalém um homem chamado Simeão. Esse homem, justo e piedoso, esperava a consolação de Israel, e o Espírito Santo estava nele. Fora-lhe revelado pelo Espírito Santo que não morreria sem primeiro ver o Cristo do Senhor. Impelido pelo Espírito Santo, foi ao templo. E tendo os pais apresentado o menino Jesus, para cumprirem a respeito dele os preceitos da Lei, tomou-o em seus braços e louvou a Deus nestes termos: ‘Agora, Senhor, deixai o vosso servo ir em paz, segundo a vossa palavra. Porque os meus olhos viram a vossa salvação que preparastes diante de todos os povos, como luz para iluminar as nações, e para a glória de vosso povo de Israel’. Seu pai e sua mãe estavam admirados das coisas que dele se diziam. Simeão abençoou-os e disse a Maria, sua mãe: ‘Eis que este menino está destinado a ser uma causa de queda e de soerguimento para muitos homens em Israel, e a ser um sinal que provocará contradições, a fim de serem revelados os pensamentos de muitos corações. E uma espada transpas¬sa¬rá a tua alma’.Havia também uma profetisa chamada Ana, filha de Fanuel, da tribo de Aser; era de idade avançada. Depois de ter vivido sete anos com seu marido desde a sua virgindade, ficara viú¬va e agora, com oitenta e quatro anos, não se apartava do templo, servindo a Deus noite e dia em jejuns e orações. Chegando ela à mesma hora, louvava a Deus e falava de Jesus a todos aqueles que em Jerusalém esperavam a libertação.” (Lc 2, 22-38)

Esta passagem mostra Maria e José humildes e obedientes à vontade de Deus, levando seu próprio filho e entregando-o à condição de Cordeiro que vai tirar o pecado do mundo, aquele que vai salvar a humanidade.

Maria entrega o menino a Simeão como, simbolicamente, o dá à humanidade. Este encontro enche o ancião de alegria, pois ele entende que é finda a espera, que ali está o Messias tão aguardado, “Luz das nações” e “Glória de Israel”.

No entanto, naquele momento já se percebe que esse encontro não será tranquilo, mas “sinal de contradição”. Sua presença vai tocar fundo no coração de muitos, mas também haverá discórdia e divisão em torno daquilo que Jesus haveria de apresentar. A missão de Cristo – e sua morte na Cruz – vão cravar uma espada e levar profunda dor à Mãe de Deus.

Peçamos hoje a graça de sermos também apresentados a Deus por Maria, nossa mãe, para que possamos cumprir fielmente nossa missão no Reino do Pai. Que nosso encontro com o Senhor seja profundo e transformador!

———-