A conversão de São Paulo

No dia 25 de janeiro, a Igreja Católica celebra a conversão de São Paulo. Nascido em Tarso, na Cilícia (atual Turquia), com o nome de Saulo, era de família israelita, fiel à tradição judaica. Como seu pai adquiriu a cidadania romana, era legalmente um cidadão romano.

Como fariseu, Paulo era implacável na perseguição aos cristãos. Aprisionava-os e foi o responsável pela morte de muitos deles. Acompanhou, inclusive, o apedrejamento de Santo Estevão, cujas orações na hora da morte certamente contribuíram para a conversão de São Paulo.

Foi a caminho de Damasco, enquanto ia ao encalço de cristãos, que Paulo foi espetacularmente abordado pelo Cristo Ressuscitado, que o derrubou de seu cavalo com uma luz intensa vinda do céu: “Ora, aconteceu que, na viagem, estando já perto de Damasco, pelo meio-dia, de repente uma grande luz que vinha do céu brilhou sobre mim. Caí por terra e ouvi uma voz que me dizia: ‘Saulo, Saulo, por que me persegues?’ Eu perguntei: ‘Quem és tu, Senhor?’ Ele respondeu: ‘Eu sou Jesus, o nazareno, a quem tu estás perseguindo’. Meus companheiros viram a luz, mas não ouviram a voz que me falava. Então perguntei: ‘Que devo fazer, Senhor?’ O Senhor respondeu: ‘Levanta-te e vai para Damasco. Ali te explicarão tudo o que deves fazer’. Como eu não podia enxergar, por causa do brilho daquela luz, cheguei a Damasco guiado pelas mãos dos meus companheiros.” (At 22, 6-11).

Após a visão de Jesus, permaneceu cego por três dias. Durante esse tempo, permaneceu sem comer nem beber. Após receber a visita de Ananias, que foi até ele orientado por Deus, voltou a enxergar e foi batizado.

A visita do Senhor foi tão impactante que, de perseguidor, passou a ser um apaixonado missionário. Abandonou suas posses e toda a sua segurança para abraçar a difícil missão de pregar em nome do Mestre. Foi a diversos lugares e fundou muitas comunidades católicas.

A conversão de São Paulo é uma das mais importantes da história da Igreja. Mostra o poder da graça divina, tão grande que foi capaz de transformar um perseguidor da Igreja em evangelizador. Por seu passado de algoz, Paulo dizia ser “o menor entre os Apóstolos” e ainda, “indigno de ser chamado Apóstolo”.

Percorreu a Ásia Menor em diversas viagens e escreveu 14 cartas destinadas às comunidades cristãs, extremamente ricas de orientações teológicas. Em função de sua dedicação à fé em Cristo, foi perseguido e preso. Mesmo encarcerado, seguiu evangelizando. Morreu como mártir, após ser condenado à decapitação. Os restos do santo descansam na Basílica de São Paulo Extramuros, em Roma. O seu martírio é celebrado junto com São Pedro no dia 29 de junho.