Nossa Senhora das Graças e a medalha milagrosa

Nossa Senhora das Graças, cuja memória celebramos hoje, apareceu três vezes à piedosa e humilde freira Catarina Labouré no ano de 1830, no convento das Filhas da Caridade de São Vicente de Paulo, na Rue du Bac, em Paris, na França. A história dessas aparições está intimamente relacionada à tradição da medalha milagrosa, à qual pessoas de todo o mundo recorrem em busca das mais diferentes graças.

Na segunda aparição, em 27 de novembro, Catarina viu a Virgem Maria vestida de branco, com uma beleza reluzente, tendo em mãos uma esfera de ouro que representava o globo terrestre, o mundo inteiro e cada pessoa em particular. Nos dedos, a Mãe de Deus tinha anéis revestidos de lindas pedras preciosas, que emanavam raios muito brilhantes, sobre os quais falou: “Estes [raios] são o símbolo das graças que Eu derramo sobre as pessoas que me pedem”. Também havia anéis dos quais não saía nenhuma luz, simbolizando as graças que esquecemos de pedir à Nossa Senhora.

Um arco se formou em torno de Maria, tendo no alto as seguintes palavras, escritas em dourado: “Ó Maria concebida sem pecado, rogai por nós que recorremos a Vós”. A Virgem, então, disse a Catarina: “Fazei cunhar uma medalha conforme esse modelo. Todos os que a usarem, trazendo-a ao pescoço, receberão grandes graças. Estas serão abundantes para aqueles que a usarem com confiança”. Conforme o quadro girou, a religiosa viu a outra face da medalha, onde estava o monograma da Santíssima Virgem, com uma cruz acima e, abaixo, o Coração de Jesus coroado de espinhos e o da própria Maria ferido por uma espada.

Menos de dois anos depois, uma violenta epidemia de cólera se espalhou pela capital francesa. Os primeiros exemplares da medalha foram distribuídos aos doentes, que alcançaram graças extraordinárias. Sua fama fez a medalha ser levada a outros locais da França e também a outros países. Rapidamente o uso da medalha, então já chamada de milagrosa, se difundiu pelo mundo inteiro.

Maria Santíssima, nossa mãe e grande intercessora junto ao Pai, está sempre pronta a vir em nosso socorro. As suas súplicas Deus ouve com atenção e atende com presteza. A linda oração a Nossa Senhora das Graças é sempre um caminho de amor em busca de bençãos:

Lembrai-vos, ó puríssima Virgem Maria, do poder ilimitado que vos deu o vosso Divino Filho sobre o seu coração adorável. Cheio de confiança na vossa intercessão, venho implorar o vosso auxílio. Tendes, em vossas mãos, a fonte de todas as graças que brotam do coração amantíssimo de Jesus Cristo; abri-a em meu favor, concedendo-me a graça que ardentemente vos peço. Não quero ser o único por vós rejeitado, sois minha Mãe, sois a soberana do coração de vosso Divino Filho.

Sim, ó Virgem Santa, não esqueçais as tristezas dessa terra; lançai um olhar de vontade aos que estão no sofrimento, aos que não cessam de provar o cálice das amarguras da vida. Tende piedade dos que se amam e que estão separados pela discórdia, pela doença, pelo cárcere, exílio ou morte. Tende piedade dos que choram, dos que suplicam, e dai a todos o conforto, a esperança e a paz! Atendei, pois, à minha humilde súplica e alcançai-me as graças que agora fervorosamente vos peço por intermédio de vossa santa Medalha Milagrosa!

Amém.