Quem são “todos os santos” celebrados hoje pela Igreja?

Neste dia 1º de novembro, celebramos a memória de todos os santos – aqueles que foram canonizados e também os anônimos e desconhecidos, cujos feitos não entraram para a História, mas que carregaram silenciosa e resignadamente a cruz de Cristo. São homens e mulheres que viveram o exemplo de Jesus e hoje estão na glória de Deus, gozando a plenitude da vida eterna.

A celebração de Todos os Santos nos lembra que todos nós somos chamados à santidade. Diz o Concilio Vaticano II, no documento Lúmen Gentium: “Com o fim de conseguir esta perfeição, façam os fiéis uso das forças recebidas (…) cumprindo em tudo a vontade do Pai, se dediquem inteiramente à glória de Deus e ao serviço do próximo. Assim, a santidade do povo de Deus se expandirá em abundantes frutos, como se demonstra luminosamente na história da Igreja pela vida de tantos santos” (LG 40).

A santidade não é reservada a poucos. Ela é o estado para o qual Deus nos criou e pode ser alcançada no dia a dia, através da oração, da vivência das virtudes, da busca pelo bem, da doação ao próximo, da observação dos preceitos da Igreja, da fidelidade e do amor ao Pai. Todos nós podemos nos juntar à comunidade santa que, após sua morte, recebe do Pai a recompensa celeste.

A essa multidão de santos que habita os céus e não cansa de interceder por nós todos os dias, devemos hoje elevar as nossas orações. Agradeçamos por seu olhar piedoso e por pedirem por nós junto a Deus a fim de alcançarmos tantas graças!