A paz que vem de Irene

Você que nos acompanha, sabe que as aparições de Nossa Senhora em Fátima ocorreram em um lugarejo hoje conhecido como Cova da Iria, uma região de pastoreio que pertencia à família dos pastorinhos Lúcia, Jacinta e Francisco. Era exatamente quando estavam a tocar o rebanho que a Virgem, anunciada por um estrondo semelhante a um trovão, apareceu às três crianças pela primeira vez, pedindo que elas retornassem àquele exato local nos meses seguintes.

Inicialmente, o local era chamado de Vale da Irene, sendo posteriormente denominado de Cova da Irene e, por fim, de maneira abreviada pela oralidade, Cova da Iria. Mas você sabe a origem deste nome?

Diz a lenda que vivia ali uma jovem chamada Irene, que havia sido educada por duas tias religiosas beneditinas. A moça, como mártir da pureza, consagrou-se a Deus, fazendo seus votos ainda bem nova. Por ela era apaixonado um rapaz de nome Britaldo, que, mesmo sabendo que a jovem tornaria-se freira, não conseguia esquecê-la. Esta paixão acabou em tragédia. Conhecidos de Britaldo, caluniando Irene, disseram a ele que a bela moça tinha um amante. Cego de ódio, o rapaz matou a amada, colocou seu corpo dentro de um sarcófago e o jogou num rio. Conta-se que o sarcófago foi encontrado pelo tio de Irene próximo à Vila de Santarém. O tio, então, sepultou os restos mortais da jovem nas terras onde ela havia nascido e crescido

O mais curioso é que o nome Irene, de origem grega, significa paz. Um belo desígnio para este local cuja vocação espiritual hoje é incontestável!

Esta é uma das histórias que eu e Kenya contamos no livro Fátima, recém-lançado e publicado em parceria com a Globo Livros. Através de uma atenta, cuidadosa e extensa pesquisa, nós reunimos muitos fatos interessantes sobre as aparições e sobre a mensagem e o legado de Nossa Senhora de Fátima. O livro pode ser encontrado em todo o país, em livrarias físicas e on-lines. Pela internet, você pode comprar o seu exemplar aqui