Você conhece a simbologia da pomba?

A pomba é uma imagem muito presente na Bíblia, tanto no Antigo quanto no Novo Testamento, e frequentemente utilizada na arte litúrgica. Aparece em pinturas, afrescos, imagens e estátuas, sendo relacionada a diversos episódios religiosos, simbolizando a paz, a fidelidade e também o Espírito Santo.

Quem não conhece a história da Arca de Noé, narrada nos capítulo 6, 7 e 8 do Gênesis? A pomba teve um papel importante no episódio. Enviada pelo patriarca três vezes para ver se as águas do dilúvio haviam baixado, na primeira tentativa retornou por não encontrar onde pousar. Na segunda, trouxe um ramo de oliveira, anunciando a redução do nível da água e, consequentemente, da ira de Deus. Na terceira, ela não voltou, comprovando que a normalidade estava de volta ao mundo. A pomba ganhava, assim, a fama daquela que traz a paz.

A figura desse animal está presente também nos Salmos e no Cântico dos Cânticos de Salomão, em que o noivo compara sua noiva a uma pomba: “Minha pomba, oculta nas fendas do rochedo, e nos abrigos das rochas escarpadas, mostra-me o teu rosto, faze-me ouvir a tua voz. Tua voz é tão doce e delicado teu rosto!” (2, 14) e “Abre-me, minha irmã, minha amada, minha pomba, minha perfeita; minha cabeça está coberta de orvalho, e os cachos de meus cabelos cheios das gotas da noite” (5, 2). Conhecida por ser um bicho monogâmico, a imagem da pomba era usada como sinal de pureza e fidelidade.

Mas, no episódio do batismo de Jesus, narrado nos Evangelhos, a pomba se consolida como símbolo do Espírito Santo: “Depois que Jesus foi batizado, saiu logo da água. Eis que os céus se abriram e viu descer sobre ele, em forma de pomba, o Espírito de Deus.” (Jo 3, 16). Em função disto, a pomba frequentemente aparece nas representações artísticas da Anunciação, acima da cabeça da Virgem Maria, e também de Pentecostes, quando o Espírito Santo vem aos apóstolos.

Também há uma interessante relação entre algumas imagens de Nossa Senhora de Fátima e as pombas. Quem observar com atenção verá que diversas imagens peregrinas contam com pombas aos pés da Virgem Maria. A origem disso remonta a um episódio ocorrido em 1946, quando foi realizada uma grande peregrinação da imagem de Nossa Senhora por Portugal. Ao passar por uma pequena vila chamada Bombarral, uma aldeã e sua filha soltaram cinco pombas brancas em homenagem à Mãe Santíssima. Três delas pousaram aos pés da imagem e lá ficaram, a despeito do barulho de fogos e das flores jogadas sobre a estátua. Nada as afugentou!

O mesmo se repetiu em outras peregrinações e solenidades, quando os animais se aninhavam junto à Nossa Senhora sem sair dali nem mesmo para buscar alimento. Nem quando a imagem era transportada, as pombas saíam de junto da Mãe de Deus. Muitas até se antecipava à chegada da imagem e, à sua espera, já se postavam no pedestal.