Dia da Assunção de Nossa Senhora

Hoje, comemoramos a Assunção de Nossa Senhora. Lembramos com festa a sua elevação aos céus de corpo e alma após a sua morte. É tempo de celebrar a glorificação da sua alma imaculada e de sua reunião a Cristo ressuscitado.

O dogma da Assunção da Virgem Maria foi proclamado em 1950 pelo Papa Pio XII, que disse: “Cristo, com Sua morte, venceu o pecado e a morte e sobre esta e sobre aquele alcançará também vitória pelos merecimentos de Cristo quem for regenerado sobrenaturalmente pelo batismo. Mas por lei natural Deus não quer conceder aos justos o completo efeito dessa vitória sobre a morte, senão quando chegar o fim dos tempos. Por isso, os corpos dos justos se dissolvem depois da morte, e somente no último dia tornarão a unir-se, cada um com sua própria alma gloriosa. Mas desta lei geral Deus quis excetuar a Bem-Aventurada Virgem Maria. Ela, por um privilégio todo singular, venceu o pecado; por sua Imaculada Conceição, não estando por isso sujeita à lei natural de ficar na corrupção do sepulcro, não foi preciso que esperasse até o fim do mundo para obter a ressurreição do corpo”.

Da mesma forma como Maria foi isenta do pecado para se tornar a Mãe de Deus, também não ficou sujeita à corrupção da carne e à morte. Para dignificá-la, o Senhor a glorificou de corpo e alma. Sendo mãe de Jesus, ambos têm a mesma carne e, portanto, ela deveria ter a mesma glória de Seu filho. A mulher que viu seu filho sofrer, ser humilhado, ser morto na Cruz e ressuscitar também deveria habitar os céus.

Sua assunção e glorificação nos recordam a perspectiva da vida eterna e nos lembram o sentido pleno da redenção e da vitória da Vida sobre a Morte. Ao lado de Jesus Cristo, Seu Filho amado, Maria por nós intercede todos os dias, nos protegendo e amparando.

Nossa Senhora da Assunção, rogai por nós!