Como lidar com a Síndrome do Ninho Vazio?

Quando os filhos saem de casa, seja para formar suas próprias famílias ou apenas para viver de forma independente, um grande buraco se instala. Pais e mães não sabem o que fazer com o tempo e o silêncio. É a síndrome do ninho vazio. Tenho três filhos, sendo o mais velho adolescente. Todos moram conosco e me mantém atarefada boa parte do dia. Você deve estar pensando, então, como poderia eu comentar sobre esse tema, não é?

Bem, antes de tudo, sou psicóloga, o que me abre uma boa perspectiva sobre o assunto. Mas como nem tudo se aprende nos bancos acadêmicos, também aprendi bastante com a vida. Testemunhei a experiência da minha própria mãe quando deixei sua casa para me casar e acompanhei algumas amigas que passaram por isso. Mesmo aqui na Tarde com Maria auxiliei pessoas que enfrentaram este momento. Então acho que tenho um pouco a contribuir.

Antes de tudo, não se sinta mal ou carregue culpa pela tristeza que está vivenciando. Esse sofrimento inicial é normal e resulta da adaptação à nova realidade. Afinal, você passou muitos anos dedicando a cuidar, proteger e orientar seus filhos e agora eles começam a voar com as próprias asas. É perfeitamente aceitável que você tenha uma sensação de que é inútil – embora isso não seja verdade, o seu papel está apenas mudando. Em vez de esconder esses sentimentos embaixo do tapete, é preciso encará-los.

Você pode viver essa tristeza por alguns dias ou semanas, mas não se pode deixar vencer por ela. E, sobretudo, não coloque nos filhos a culpa por isso. Aceite que você também está passando por uma grande mudança e bola para frente! A oração é uma grande aliada neste momento. Peça a Deus calma e tranquilidade para lidar com tantos sentimentos conflitantes. Peça força para superar e clareza para conduzir o processo. E lembre-se de que eles não estão mais debaixo das suas asas, mas continuam sob a proteção divina. Reze para que Ele guie os passos dos seus filhos nesta nova jornada.

A partir daqui, você precisa preencher o seu tempo. Arrume novos hobbies ou dedique-se a antigos, saia com amigos, faça cursos, viaje se puder. Com mais tempo livre e menos responsabilidade, você deve aproveitar para fazer coisas que antes não conseguia, como sentar relaxadamente para ler um livro ou assistir um filme na TV no meio da semana. Curta isso! Depois de tantos anos, você é novamente dono do seu tempo!

É também uma ótima oportunidade para fortalecer o casamento. Dividir as sensações, os medos e os anseios é um caminho para entenderem que não estão só. Além disso, aproveitem mais a companhia um do outro, conversem, façam programas divertidos, dancem! Sem os filhos por perto, vocês podem passar mais tempo juntos, compartilhando bons momentos.

Saiba que seus filhos não estão abandonando você. Eles continuam sendo filhos e ainda precisam do seu apoio e da sua presença. Mas agora o seu papel é o de incentivador. Você não deve mais mandar, repreender nem tentar proteger. Confie que o trabalho de base foi bem-feito e agora eles têm capacidade de tomar as próprias decisões. Você só precisa dar opinião ou conselhos se eles pedirem. Mas você deve estar preparado para apoiá-los sempre.

Já já você vai começar a viver algo diferente: a sensação de orgulho. Quando perceber que eles estão se desenvolvendo, se tornando verdadeiramente independentes, você vai vibrar com as conquistas deles! Um grande presente de Deus, não é?

Que o Senhor nos dê a sabedoria para passarmos serenamente por esses momentos.