Você sabe o que e quais são as virtudes cardeais?

Quando somos batizados, Deus coloca em nossa alma as virtudes, que são qualidades e atributos que nos direcionam para o bem e para as coisas divinas. Elas são divididas em dois grupos: as teologais e as cardeais. Hoje, falaremos sobre as cardeais, também chamadas de morais ou humanas, pois estão, como o nome sugere, relacionadas aos atos humanos.

As virtudes cardeais são as fundamentais, centrais, aquelas que nos orientam em busca da perfeição e da santidade. Para participarmos da natureza divina, precisamos de esforço, da repetição constante de bons hábitos. Caso contrário, os maus hábitos se apoderam de nós, nos levando aos vícios.

Quando experimentamos as virtudes plenamente, vivemos uma vida livre, longe do pecado e perto de Deus. Saiba um pouco mais sobre cada uma das quatro virtudes cardeais – Prudência, Temperança, Força e Justiça:

Prudência
Ser prudente é agir conforme o bom senso, com equilíbrio e sensatez. Como nos disse Jesus Cristo: “Eis que vos mando como ovelhas no meio de lobos. Sêde, pois, prudentes como a serpente e simples como as pombas” (Mt 10, 16). Ele nos ensina que precisamos proceder com sabedoria e precaução, nos antevendo aos fatos a fim de evitar os perigos e o mal. Devemos nos prevenir agora para não nos preocuparmos no futuro.

Justiça
Esta virtude trata dos nossos direitos e deveres e regula a vida social. É a prática que determina o dever e o mérito de alguém, que nos leva a dar a cada um aquilo que lhe é devido, seguindo as normas e as regras vigentes. É a Justiça que nos permite conviver em comunidade, pois nos leva a respeitar os outros e defender o bem-estar comum, prezando pela igualdade e pela dignidade humana, assegurando o bem de todos.

Temperança
Segundo o Catecismo da Igreja Católica, a temperança é “a virtude moral que modera a atração pelos prazeres e procura o equilíbrio no uso dos bens criados”, ou seja, os bens que nos foram dados por Deus. É o que nos permite controlar e dominar as paixões, vontades, desejos e instintos inadequados. É através da temperança, por exemplo, que evitamos os excessos de comida e bebida, que escolhemos para usar as roupas mais adequadas, que prezamos pela castidade e regulamos a sensualidade, que nos afastamos das drogas, entre outros. No Novo Testamento, encontramos referências a essa virtude também com o nome de “moderação”. Ela é verdadeiramente libertária, pois não nos deixa sermos escravos dos prazeres sensíveis.

Fortaleza
“Não tenhais medo” (como em Mt 14,27), disse Jesus. A fortaleza é a virtude que nos dota de segurança para seguirmos firmes no caminho do bem. É a ela que recorremos quando encontramos dificuldades, quando os obstáculos nos assustam. Ela não é exclusiva de heróis ou de grandes atos de superação, mas está presente também nas pequenas ações no nosso dia a dia, a cada escolha que fazemos e a cada palavra que proferimos, muitas vezes sem nem perceber. A fortaleza nos mantém firmes na missão de difundir o Reino de Deus e de nos mantermos fiéis a Ele.

Na próxima segunda-feira, vamos falar sobre as virtudes teologais. Não perca!