São Francisco Marto: o menino que queria consolar a Deus

Há 111 anos nascia, em Portugal, o menino Francisco Marto. Filho de um casal extremamente católico, logo cedo começou a pastorear o rebanho da família, junto com a irmã Jacinta e a prima Lúcia. Foi tocando suas ovelhas que os três viram, pela primeira vez, a aparição de Nossa Senhora.

A Virgem, que lhes visitou seis vezes na Cova da Iria, trouxe aos meninos uma mensagem de conversão e penitência pela salvação dos pecadores e pela reparação dos corações de Maria e de Jesus que mudou a vida dos pastorinhos e também de milhões de pessoa em todo o mundo por décadas e décadas.

As aparições marcaram profundamente o comportamento de Francisco, o mais introspectivo dos três. Tocado pelas mensagens trazidas pela Virgem Santíssima, o menino passava horas em oração contemplativa, buscando consolar a Deus. “Não viu como estava triste Nossa Senhora quando nos disse que os homens não devem ofender mais o Senhor, que já está tão ofendido? Eu gostaria de consolar o Senhor e, depois, converter os pecadores para que eles não ofendam mais ao Senhor. Logo estarei no céu. E quando chegar, vou consolar muito Nosso Senhor e Nossa Senhora”, disse ele certa vez.

Talvez este seja o maior exemplo que o pastorinho nos deixa: a missão reparadora. Que possamos amar a Deus tanto quanto Francisco, a ponto de desejar ardentemente sermos Seus auxiliares na importante tarefa de curar as feridas da humanidade. Que o fascínio pelo Senhor fortaleça a nossa fé e que façamos dela um testemunho de vida cristã.

Em 04 de abril de 1919, Francisco morreu vítima de gripe espanhola, a mesma doença que depois viria a vitimar também sua irmã Jacinta. Seu corpo foi sepultado no cemitério de Fátima e transladado para a Basílica de Nossa Senhora do Rosário de Fátima em 1952. Foi canonizado pelo papa Francisco em 13 de maio de 2017, quando foi comemorado o centenário das aparições de Nossa Senhora de Fátima.
São Francisco Marto, rogai por nós!