Lembramos hoje, as aparições do Anjo da Paz de Portugal

Era primavera de 1916 em Portugal quando os três pastorinhos viram um jovem rapaz, que aparentava ter cerca de 15 anos, mais branco do que a neve e que, ao sol, dava a impressão de ser transparente.

Em suas memórias, Lúcia conta:
“Ao chegar junto de nós, disse:
– Não temais! Sou o Anjo da Paz. Orai comigo.
E ajoelhando em terra, curvou a fronte até ao chão e fez-nos repetir três vezes estas palavras:
– Meu Deus! Eu creio, adoro, espero e amo-Vos. Peço-Vos perdão para os que não crêem, não adoram, não esperam e Vos não amam.
Depois, erguendo-se, disse:
– Orai assim. Os Corações de Jesus e Maria estão atentos à voz das vossas súplicas.” (Memórias da Irmã Lúcia, pág 77 e 78).

Esta linda oração foi tão marcante para os pequenos pastorinhos que acabou lhes acompanhando até o fim de suas vidas. Lúcia, Francisco e Jacinta passavam longos períodos repetindo-a, até sucumbirem ao cansaço.

A segunda vez que o anjo apareceu foi já no verão seguinte, no quintal da casa onde morava a família de Lúcia. O anjo surpreendeu as crianças enquanto elas brincavam e pediu a elas sacrifícios pela reparação dos pecados cometidos contra Maria e Jesus:

“– Que fazeis? Orai, orai muito. Os Corações Santíssimos de Jesus e Maria têm sobre vós desígnios de misericórdia. Oferecei constantemente, ao Altíssimo, orações e sacrifícios. (…) De tudo que puderdes, oferecei a Deus sacrifício em acto de reparação pelos pecados com que Ele é ofendido e súplica pela conversão dos pecadores.”

Já no outono, em sua terceira aparição, o Anjo veio com uma hóstia e um cálice enquanto os pastorinhos rezavam.

“Erguemo-nos para ver o que se passava e vemos o Anjo, tendo em a mão esquerda um Cálix, sobre o qual está suspensa uma Hóstia, da qual caem algumas gotas de Sangue dentro do Cálix. O Anjo deixa suspenso no ar o Cálix, ajoelha junto de nós, e faz-nos repetir três vezes:
– Santíssima Trindade, Padre, Filho, Espírito Santo, (adoro-Vos profundamente e) ofereço-Vos o preciosíssimo Corpo, Sangue, Alma e Divindade de Jesus Cristo, presente em todos os Sacrários da terra, em reparação dos ultrajes, sacrilégios e indiferenças com que Ele mesmo é ofendido. E pelos méritos infinitos do Seu Santíssimo Coração e do Coração Imaculado de Maria, peço-Vos a conversão dos pobres pecadores.
Depois levanta-se, toma em suas mãos o Cálix e a Hóstia. Dá-me a Sagrada Hóstia a mim e o Sangue do Cálix divide-O pela Jacinta e o Francisco, dizendo ao mesmo tempo:
– Tomai e bebei o Corpo e Sangue de Jesus Cristo, horrivelmente ultrajado pelos homens ingratos. Reparai os seus crimes e consolai o vosso Deus.” (Memórias da Irmã Lúcia pág 79)

Com mensagens cada vez mais profundas, o anjo preparava Jacinta, Francisco e Lúcia para as aparições de Nossa Senhora, a fim de que os pequenos estivessem abertos e atentos para receber os pedidos da Virgem Santíssima. E deixou a todos nós um belo caminho de oração para nos juntarmos continuamente a Maria e Jesus!