Afinal, o que é a Liturgia?

Você certamente conhece a palavra “Liturgia”. Mas sabe exatamente o que ela significa, a sua origem e sua importância? O termo vem do grego “leiton ergon” e significa ação pública. Ela é o conjunto de ritos e cerimônias que ordena e conduz a celebração dos sacramentos e dos sacramentais. É aquilo no que se funda a Igreja e o fio condutor de toda ação católica. Mas, mais do que isso, a liturgia é a vivência plena do mistério de Deus.

Os primeiros ritos litúrgicos começaram ainda nos primórdios da Igreja, à medida em que os sacramentos foram sendo compreendidos pelos apóstolos e foi-se sentindo a necessidade de unificar os ritos a fim de garantir que a experiência de cada católico estivesse de acordo com os ensinamentos deixados por Jesus. Com o tempo, eles foram sendo aperfeiçoados, até chegar à Liturgia como conhecemos hoje.

Num movimento para aproximar a Liturgia dos fiéis, foi realizada uma grande renovação pelo Concílio Vaticano II, no ano de 1965. Mas há partes da Liturgia que não podem ser alteradas: todas aquelas que remetem ao que disse e fez Jesus Cristo devem permanecer intocadas, a fim de preservar a essência da nossa fé.

É através da Liturgia que celebramos tudo o que Deus fez pela salvação dos homens ao longo dos séculos. Ela é inteiramente centrada na presença de Cristo, que deu sua vida para nos salvar. Você já percebeu que em todas as celebrações litúrgicas as ofertas são feitas “por Cristo, com Cristo e em Cristo”? Isto acontece exatamente porque Jesus é nosso elo de comunicação com o Pai e seu mistério Pascal é o centro da nossa fé e, portanto, de toda a prática religiosa da Igreja.