Maria: exemplo de serviço e doação

Hoje, 31 de maio, comemoramos a Festa da Visitação de Nossa Senhora. Nesta data, recordamos o momento em que Maria, após receber a visita do arcanjo Gabriel e saber que sua prima Isabel tinha, já em idade bastante avançada, concebido um filho, sai apressadamente para encontrá-la e colocar-se a serviço dela.

Esta festa, cujo tema também é lembrado no segundo mistério gozoso do Rosário, começou a ser celebrada pelos franciscanos em 1263. Em 1389, o papa Urbano VI declarou-a festa universal, com o objetivo de, através da intercessão de Maria, promover a paz e a unidade dos cristãos que estavam divididos pelo Grande Cisma do Ocidente.

“Naqueles dias, Maria se levantou e foi às pressas às montanhas, a uma cidade de Judá. Entrou em casa de Zacarias e saudou Isabel. Ora, apenas Isabel ouviu a saudação de Maria, a criança estremeceu no seu seio; e Isabel ficou cheia do Espírito Santo. E exclamou em alta voz: ‘Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre. Donde me vem esta honra de vir a mim a mãe de meu Senhor? Pois assim que a voz de tua saudação chegou aos meus ouvidos, a criança estremeceu de alegria no meu seio. Bem-aventurada és tu que creste, pois se hão de cumprir as coisas que da parte do Senhor te foram ditas!’. E Maria disse: ‘Minha alma glorifica ao Senhor, meu espírito exulta de alegria em Deus, meu Salvador, porque olhou para sua pobre serva. Por isso, desde agora, me proclamarão bem-aventurada todas as gerações, porque realizou em mim maravilhas aquele que é poderoso e cujo nome é Santo. Sua misericórdia se estende, de geração em geração, sobre os que o temem. Manifestou o poder do seu braço: desconcertou os corações dos soberbos. Derrubou do trono os poderosos e exaltou os humildes. Saciou de bens os indigentes e despediu de mãos vazias os ricos. Acolheu a Israel, seu servo, lembrado da sua misericórdia, conforme prometera a nossos pais, em favor de Abraão e sua posteridade, para sempre”.” (Lc 1, 39-55)

A visita de Maria a Isabel santifica João Batista, predecessor de Jesus e que estava ainda no ventre da mãe. Mas este episódio mostra, sobretudo, a humildade e a disposição de Maria de colocar-se a serviço, aberta às necessidades dos outros. Para socorrer a prima idosa, que provavelmente padecia das dificuldades de uma gestação tardia, Maria percorre cerca de 100 km, mesmo estando Ela própria grávida e em uma época em que mulheres não costumavam andar sozinhas. Nesta ocasião, a Virgem Santíssima demonstra toda a sua dedicação: ela sabe que é uma serva do Senhor e, desta forma, não hesita em abdicar de si em favor dos outros. Se entrega por inteiro, cheia de amor, e confiante no projeto que Deus tem para Ela.

Ao ouvir as palavras de Isabel, que dizia ser Maria bem-aventurada, a Virgem declama o Magnificat, glorificando a Deus. Ela conhece a força do Pai, Seu Poder, Seu amor e Sua misericórdia por nós. Ela reconhece toda a sua pequenez perto do Senhor.

Que Nossa Senhora seja sempre nosso exemplo de caridade e serviço, dando-nos a coragem de nos doarmos em favor dos irmãos, colocando as necessidades dos outros à frente das nossas.