Meu filho está namorando! O que faço?

Quando nossos filhos são pequenos, ficamos tão cansados com a exaustiva tarefa de cuidar deles que temos a impressão de que eles nunca vão crescer. Mas o tempo passa e, de repente, lá estão eles, de mãos dadas com namorados ou namoradas! Talvez o nosso primeiro sentimento seja o susto. O segundo, uma certa insegurança sobre como lidar com a situação. Mas nós, pais, não podemos fingir que nada de novo está acontecendo.

Assim como Deus, nosso Pai, está conosco todo o tempo, nós também precisamos nos mostrar presentes e disponíveis aos nossos filhos. Portanto, nada de proibir o namoro!!!! Antes de tudo, é preciso entender qual o tipo de sentimento que eles têm um pelo outro e qual a seriedade desta relação. Lembre-se que você também já namorou e passou por este momento, então sabe como também é tudo diferente e assustador para esses meninos e meninas.

Uma regra de ouro em qualquer relação familiar é o diálogo. Em primeiro lugar, é necessário demonstrar interesse pelas emoções do adolescente que convive com você, mas sem invadir a privacidade dele. Em uma casa onde a conversa se estabelece com franqueza, isso tende a acontecer com naturalidade. Com carinho, mas sem ultrapassar limites, você ganha a confiança do seu filho ou filha. É importante que ele ou ela saiba que pode confiar em você e contar com os pais para qualquer coisa.

Embora a questão da sexualidade seja um tema espinhoso para muita gente, não se pode fugir deste assunto. Explique ao seu filho o valor de um namoro cristão. É claro que, nesta época, os hormônios estão a flor da pele. Mas é preciso mostrar que o sexo fora do matrimônio é apenas um prazer vazio, que abusa do corpo do outro e o transforma em objeto. E, quando há amor de verdade, não é isso que queremos, né? O namoro é uma ponte para o casamento, o ponto de partida para uma futura família, e, por isso, deve ser realmente levado a sério!

Também vale caprichar nas orações, para que o Senhor ilumine a cabeça e o coração dos dois jovens, dando a eles discernimento para seguir pelo melhor caminho, para que um cuide dos sentimentos do outro e que, juntos, eles possam crescer emocionalmente e espiritualmente. Precisamos orientar nossos filhos na fé cristã mesmo que o mundo aponte para outro lado e sermos para eles fonte de segurança e amor.