O que celebramos no Domingo de Ramos?

Liturgicamente, é com a celebração do Domingo de Ramos e da Paixão do Senhor que a Igreja dá início à Semana Santa. Como o nome indica, são celebrados a entrada de Jesus em Jerusalém, aclamado pelo povo, e também o mistério de sua Paixão e Morte.

Ramos para o Rei

Cristo é saudado como rei de Israel, o messias anunciado pelos profetas. Ele chega aplaudido, ovacionado pelo povo, que lhe estendida suas roupas e cobria o caminho com ramos de oliveira, árvore muito comum na região. Cristo não usava ouro nem vinha com grande comitiva. Ao contrário – chega montado em um jumento, demonstrando, assim, toda a sua pequenez e humildade.

A Procissão de Ramos, que abre a missa neste domingo, busca nos lembrar, a partir do exemplo de Cristo, que a nossa caminhada nesta vida também é transitória e que estamos junto d’Ele neste projeto de salvação do mundo. Precisamos nos recordar sempre que “bendito é aquele que vem em nome do Senhor”.

As pessoas que receberam Jesus com gritos de Hosana acreditavam que ele seria um político, que viria livrá-lo das garras dos atuais governantes. Não entenderam que Sua missão era muito maior e mais valiosa: Cristo vinha para nos livrar do pecado! O mesmo povo que o aclamou foi aquele que pediu a sua condenação, acusando-o de ser um impostor.

A Paixão
Jesus Cristo, ao contrário da multidão, jamais se iludiu. Sabia que seria negado, rejeitado, humilhado. Viu nos rostos daquelas pessoas que o recebiam com clamores o pecado e a ignorância. Ali, ainda nos braços do povo, já começava o seu sofrimento.

O Evangelho deste domingo antecipa a Paixão de Cristo e toda a dor humana que sentiu para cumprir a tarefa que o Pai lhe havia designado. Revivemos sua angústia, a traição de Judas, sua prisão, o julgamento, as dores e humilhações pelas quais passou até a morte na cruz. Tudo isto para nos salvar.

A liturgia deste domingo é um convite para nós também pegarmos nossas cruzes e seguirmos Jesus, nos mirando em seu exemplo para semear amor e levar o Reino de Deus a todos.