Aquela Senhora vira notícia

No dia 13 de setembro de 1917, data da quinta aparição, as estradas que levavam à Cova da Iria estavam tomadas por pessoas desejosas de que seus pedidos fossem apresentados à Nossa Senhora. Em apenas quatro meses, a notícia das visões dos pastorinhos se alastrou de tal forma que eram tantos os visitantes por ali nos dias de aparição que as três crianças mal podiam caminhar.

Sobre isto, Lúcia relatou: “Ao aproximar-se a hora, lá fui, com a Jacinta e o Francisco, entre numerosas pessoas que a custo nos deixavam andar. As estradas estavam apinhadas de gente. Todos nos queriam ver e falar. (…) Numerosas pessoas, e até senhoras e cavalheiros, conseguindo romper por entre a multidão que à nossa volta se apinhava, vinham prostrar-se, de joelhos, diante de nós, pedindo que apresentássemos a Nossa Senhora as suas necessidades” (Memórias da Irmã Lúcia, pág 179).

E, num lugarejo tão pequeno, no interior de Portugal, praticamente isolado no mundo e distante até mesmo dos meios de comunicação, numa época em que não havia redes sociais ou internet, em que a própria telefonia era incipiente e que as notícias levavam dias para cruzar de um ponto do país a outro, como os relatos das aparições se tornaram tão populares a ponto de mobilizar milhares de pessoas?

A informação sobre a visita da Mãe Santíssima, toda vestida de branco e mais brilhante do que o Sol, espargindo luz, foi passada de boca a boca. Cada um, tocado pela maravilha do divino, foi transmitindo a outros tantos a mensagem de que Nossa Senhora por ali andava a conversar com três crianças. O que aconteceu é tão especial, tão sublime, que os relatos correram como que soprados pelo vento. A força celestial foi suficiente para que logo a notícia das visões já estivesse propagada por quase toda Portugal.

A alma humana, que tanto carece de acolhimento, amor e salvação, foi a grande plataforma da divulgação das aparições de Maria em Fátima e também dos pedidos por Ela apresentados aos pastorinhos. Foram os corações necessitados de perdão e de graças que rapidamente se encantaram com as narrativas e as puseram em marcha, alcançando um número cada vez maior de pessoas. Nascia ali a trajetória magnífica da devoção a Nossa Senhora de Fátima e da divulgação da sua mensagem.

Agora, que a expansão de Fátima no mundo está completando 90 anos, eu e minha esposa Kenya, que há mais de 30 anos nos dedicamos à difundir a mensagem de Nossa Senhora de Fátima, contamos esta belíssima história num livro que será lançado em breve. E vocês, que nos acompanham com tanto carinho, serão os primeiros a conhecer detalhes dessa obra!