“Vigiai e Orai”

Estamos em plena Quaresma, tempo de orar e refletir, buscando melhorarmos sempre como cristãos. Há um tema que julgo bastante pertinente, especialmente neste tempo quaresmal: as tentações. Precisamos ficar sempre vigilantes, como Cristo alertou no Monte das Oliveiras: “vigiai e orai, para não cairdes em tentação. O espírito, com certeza, está preparado, mas a carne é fraca” (Mt 26, 41).

As tentações nos vêm de todos os lados e podem ganhar diversas formas: a ganância por dinheiro, o egoísmo, a falta de honestidade, o ciúme, a cobiça, a preguiça, a violência, até mesmo o medo. Há muitas oportunidades de cedermos ao Demônio, mas precisamos nos mantermos fiéis a Deus.

Os pastorinhos também sofreram muitas tentações. Foram pressionados ora pelos próprios pais, ora pela comunidade eclesiástica, que duvidavam da veracidade das aparições. Foram inquiridos, presos e até, de certa forma, coagidos. Em suas memórias, Lúcia conta um episódio vivido por ela após a primeira visita de Nossa Senhora: “tive um sonho que veio aumentar as trevas do meu espírito: Vi o Demónio que, rindo-se de me ter enganado, fazia esforços por me arrastar para o inferno. Ao ver-me nas suas garras, comecei a gritar em tal forma, chamando por Nossa Senhora, que acordei minha mãe (…) Este sonho deixou no meu espírito uma nuvem de verdadeiro medo e aflição”.

A pequena chegou a pensar em não ir mais à Cova da Iria. “Aproximava-se o dia 13 de Julho e eu duvidava se lá iria. Pensava: se é o Demónio, para que hei-de ir vê-lo? Se me perguntam por que não vou, digo que tenho medo que seja o Demónio quem nos aparece e que por isso não vou. A Jacinta e o Francisco que façam como quiserem; eu não volto mais à Cova de Iria. A resolução estava tomada e eu bem resolvida a pô-la em prática”.

Mas, o chamado de Nossa Senhora foi mais forte. A oração e a pureza de coração se sobrepuseram às tentações e levaram os três pastorinhos a se manterem fiéis à missão de divulgar a mensagem da Virgem Santíssima.

Da mesma forma, devemos nós fazer em nossas vidas. Devemos usar não só nossas palavras, mas principalmente os nossos atos para demonstrar nossa fé em Cristo e ajudar na construção do Reino de Deus. Aproveite a sua Quaresma para refletir sobre as tentações que você vem sofrendo e peça ao Senhor para lhe mostrar como resistir e se fortalecer. O melhor antídoto para a tentação é, sempre, a oração.