Santas Felicidade e Perpétua: mártires por Cristo

Hoje celebra-se o dia das Santas Felicidade e Perpétua, duas jovens mártires que morreram por sua fé cristã no ano 203, em Cartago, na África. Víbia Perpétua, que à época tinha apenas 22 anos, era rica e tinha um bebê de poucos meses. Já Felicidade era um de seus escravos e estava grávida quando ambas foram presas numa perseguição a católicos.

As duas vinham sendo preparadas para receber o batismo, junto com alguns outros escravos. Eles foram alvo da perseguição do imperador Severo, que havia determinado que todo cristão deveria ser condenado à morte. Durante o tempo em que esteve presa, à espera do julgamento, Perpétua escreveu um diário, que foi convertido em livro e que há séculos inspira milhares de cristãos. Na obra, ela disse: “O que eu mais pedia a Deus era que nos concedesse um grande valor para ser capazes de sofrer e lutar por nossa santa religião”.

Na véspera de ir a juízo, Perpétua teve uma visão, na qual soube que ela e seus companheiros de martírio teriam que enfrentar muitos sofrimentos, mas que, ao final, chegariam ao Paraíso Eterno. Frente às autoridades, ela, Felicidade e os demais escravos reafirmaram sua fé em Cristo. Por manterem-se fiéis a Jesus, foram condenados à morte.

Embora sentenciada, Felicidade não podia ainda ser massacrada, pois a lei impedia que mulheres grávidas fossem mortas. Com seu genuíno desejo de ser martirizada por Cristo, ela rezou fervorosamente para que desse à luz antes da data marcada para a execução. Dois dias antes do suplício, Felicidade teve uma linda menina, cuja criação foi confiada a outras mulheres cristãs. Durante o parto, gritando em função das fortes dores, ela ouviu de um soldado: “Você está se lamentando agora, e quando as feras a estiverem mordendo?”. Ao que ela respondeu: “Agora sou eu que estou sofrendo, mas no martírio será Cristo que sofrerá por mim”.

Em arena pública, os homens foram jogados às feras. Já Felicidade e Perpétua foram colocadas em uma rede e entregues a uma vaca furiosa, que lhes deferiu uma grande chifrada, mas não as levou à morte. Felicidade teve a cabeça cortada por uma machadada. O carrasco que deveria decapitar Perpétua errou o golpe e foi ela própria quem posicionou a cabeça e indicou o local onde o soldado deveria lançar a lâmina, demonstrando que morria por sua própria vontade e por amor a Cristo. Dois exemplos de fé e perseverança que nos mostram o valor da coragem e do sacrifício por Jesus.