A importância de exercitar o silêncio

Deus nos ensinou que para termos uma comunhão tranquila com Ele podemos nos abster de palavras. Contudo, por mais que a prática do silêncio seja indispensável a todos, este “exercício” tem se tornado cada vez mais escasso. Parece que, diante de tudo o que vivemos, é necessário falar todo o tempo. Sendo assim, nos esquecemos que o silêncio traz inúmeros benefícios, entre os quais a tranquilidade pela pacificação da mente, a sensação de bem-estar e o equilíbrio emocional.

É verdade que o silêncio é imprescindível para rezar, mas não só para esta função. Para qualquer diálogo, é preciso calar e ouvir o outro. É também necessário escutar para aprender. O silêncio é valioso, principalmente, quando passamos por situações difíceis, pois são nessas horas que mais precisamos ouvir que falar e pensar que agir.

A falta de serenidade exterior pode incomodar e interferir em nossas vidas e saúde. O barulho generalizado das grandes cidades é um problema e nos faz não escutar o nosso interior. Por isso, há cada vez mais a necessidade de sossego para que possamos descansar o corpo e a alma.

O silêncio pode nos instruir para um novo encontro com Deus. “A Palavra de Deus é viva, eficaz, mais penetrante do que uma espada de dois gumes e atinge até a divisão da alma e do corpo, das juntas e medulas, e discerne os pensamentos e intenções do coração.” (Hb 4,12). Quando estamos em paz e tranquilos, a palavra de Cristo atinge o íntimo dos nossos corações mais facilmente. Que possamos encontrar a calmaria em meio ao caos.