O grande exemplo dos reis magos

Hoje celebra-se a Solenidade de Santa Maria Mãe de Deus, fechando a Oitava de Natal – conjunto de oito dias desde o dia 25 de dezembro nos quais celebramos a chegada de Jesus. Portanto, é ainda no clima de contemplação do Natal que celebramos a Virgem Maria, que encarnou o verbo e deu à luz o filho de Deus. É o dia de louvarmos o fato de Nossa Senhora ter sido escolhida e ter aceitado ser mãe de Jesus.

Neste primeiro dia do ano que começa, a Igreja nos coloca sob a proteção de Maria, que é Mãe de Deus e também nossa mãe. Com seu amor maternal, Maria nos ampara debaixo de seu manto, protegendo-nos dos perigos da alma e também do corpo. Ela, que se manteve aos pés da cruz onde pereceu o seu filho, também ao nosso lado permanece continuamente, zelando por nós todos os dias. A Virgem deu vida ao filho de Deus e repete o gesto com cada um de nós, dando-nos vida divina através de sua inestimável intercessão.
História da solenidade
Há registros de que as primeiras celebrações exaltando a maternidade de Nossa Senhora ocorriam no dia 26 de dezembro, logo após a festa do Natal.
Aos poucos, com a introdução da Oitava de Natal, a data passou a coincidir com a comemoração da circuncisão de Cristo. O antigo testamento, no Livro do Gênesis, conta que o sinal da aliança que Deus fez com Abraão era a circuncisão ao oitavo dia depois do nascimento. Isto foi feito também com Jesus, que naquele momento recebeu o nome que havia sido anunciado pelo anjo. Para não conflitar com a comemoração da circuncisão do Senhor, em 1931 a festa em memória da Virgem foi transferida para outubro por ordem do Papa Pio XI.

Em 1969, com a reforma litúrgica, a maternidade de Maria passou a ser celebrada no primeiro dia do ano do calendário civil, ou seja, 01 de janeiro, coincidindo com o dia Mundial da Paz.

Aqui na Capela das Aparições do Brasil, temos programação especial ao longo de todo o dia para celebrar a Santa Maria Mãe de Deus. Confira aqui