Papa João Paulo II,

o santo das famílias

Nós cristãos, Jovens e adultos, temos muitas aspirações por São João Paulo II, o papa. Quem conhece a célebre canção em ocasião da sua visita papal ao Brasil. “A Benção, João de Deus. Nosso povo te abraça. Tu vens em missão de paz. Seja bem-vindo e abençoa este povo que te ama!”.

Sim, aprendemos a amar João Paulo II. Ele é o Papa da família; o amigo da juventude, o peregrino da paz. E, muitas vezes, nós rezamos por ele, e hoje ele intercede por todos nós. Mas você conhece quem foi Karol Wojtyla? Como ele se tornou o Papa João Paulo II? Qual a ligação dele com a Mensagem de Fátima? Essas e tantas outras perguntas responderemos para você que deseja conhecer quem foi esse importante Papa da nossa Igreja Católica Apostólica Romana.

Infância e juventude de Karol Wojtyła

Karol Wojtyła nasceu no dia 18 de Maio de 1920, na cidade polonesa de Wadowice, onde viveu até 1938, quando se inscreveu na faculdade de filosofia da Universidade Jagelónica e se transferiu para a cidade de Cracóvia.

No Outono de 1940, ele trabalhou como operário nas minas de pedra e depois numa fábrica química. Aos 21 anos de idade já tinha perdido todos seus familiares diretos. Sua mãe morreu quando ele tinha 8 anos devido algumas complicações durante um parto, seus três irmãos morreram durante sua infância e seu pai morreu de um ataque cardíaco, quando ele tinha 21 anos.

Antes de ser ordenado padre, Karol foi ator de teatro e jogador de futebol. Também trabalhou numa indústria química e numa mina. Apaixonado por teatro, mesmo quando não participava de algumas peças, fazia questão de acompanhar os ensaios. Praticou durante muito tempo montanhismo, remo e esqui, o seu esporte predileto. Em Outubro de 1942 entrou no seminário clandestino de Cracóvia e a 1 de Novembro de 1946 foi ordenado sacerdote. Nessa época, Karol já tinha seus 26 anos de idade.

Bispo Karol Wojtyla

Ele foi ordenado bispo, em setembro de 1958, pelo Papa Pio XII. Como lema episcopal, ele escolheu a expressão mariana “Totus tuus” de São Luís Maria Grignion de Montfort. Neste momento, a sua íntima relação com Maria Santíssima é expressada publicamente.  Em Janeiro de 1964, Karol Wojtyła foi nomeado arcebispo de Cracóvia, e participou de todas as sessões do Concílio Vaticano II. No dia 26 de Junho de 1967, foi criado cardeal pelo Papa Paulo VI.

Karol Wojtyla torna-se Papa João Paulo II

Em 6 de agosto de 1978, Paulo VI, líder do Vaticano há 15 anos, falece aos 80 anos devido a uma crise cardíaca.  Vinte dias depois, em 26 de agosto, o cardeal Albino Luciani é eleito o Santo Padre com o nome de João Paulo I. Mas 33 dias depois de sua escolha, vem a óbito de repente. Em um conclave emergencial, Karol Wojtyla é convocado a participar e, na tarde de 16 de Outubro, depois de oito minuciosos exames, foi eleito Papa. E com o nome de João Paulo II é eleito o primeiro Pontífice eslavo da história, e o primeiro não italiano depois de quase meio milênio, desde os tempos de Adriano VI (1522-1523).

De personalidade carismática, afirmou-se imediatamente pela grande capacidade comunicativa e pelo estilo pastoral fora dos esquemas. O vigor de uma idade relativamente jovem permitiu que empreendesse uma atividade intensa, ritmada sobretudo pelo multiplicar-se das visitas e das viagens: no total foram 104 internacionais e 146 na Itália, com 129 países visitados nos cinco continentes.

Legado deixado pelo Papa

Documentos

João Paulo II escreveu 14 encíclicas, 15 exortações apostólicas, 11 constituições apostólicas, 46 cartas apostólicas. Ele também publicou cinco livros: “Cruzando o limiar da esperança” (1994); “Dom e mistério: no quinquagésimo aniversário de minha ordenação sacerdotal” (1996); “Tríptico romano – Meditações”, livro de poesias (2003); “Levantai-vos! Vamos!” (2004) e “Memória e identidade” (fevereiro de 2005). Se todos os documentos que foram escritos por Karol fossem reunidos em volumes, existiria o equivalente a 20 bíblias. Durante seu pontificado, escreveu em média 3 mil páginas por ano.

Nomeou 231 Cardeais, beatificou 1.340 pessoas e canonizou mais de 450 santos, uma quantidade maior que todos os seus predecessores nos cinco séculos passados. Uma vez, durante uma entrevista, João Paulo II falou sobre o dia mais feliz da sua vida: foi quando canonizou a irmã Faustina como a primeira santa do novo milênio.

O Pontífice presidiu 15 assembleias do Sínodo dos Bispos; se encontrou com mais de 17 milhões de pessoas em 1.164 audiências semanais. Ele visitou 317 das 333 paróquias romanas. Durante o seu papado, mais de mil chefes de Estado e de Governo passaram pelo Vaticano. Foi a pessoa mais vista da história da humanidade – estima-se que pelo menos 500 milhões de pessoas já tenham visto João Paulo II de pertinho.

Como Papa falava 9 idiomas com facilidade. Sabia polonês, latim, grego antigo, italiano, francês, alemão, inglês, espanhol e português. Durante sua juventude, esteve familiarizado com 12 idiomas.

Os documentos mais importantes que São João Paulo II nos deixou foi o Catecismo da Igreja Católica, que ele chamou de “texto de referência da fé católica”, e que pediu que os fiéis e os pastores “usem assiduamente ao convocar as pessoas para viver a fé” (Constituição Fidei depositum).

Além disso, o Papa renovou o Código de Direito Canônico, em 1983. E escreveu documentos importantes, defendendo a vida, a família, a paz no mundo, a razão e a fé, a Eucaristia, etc.

Nomeações, beatificações e canonizações

Nomeou 231 Cardeais, beatificou 1.340 pessoas e canonizou mais de 450 santos, uma quantidade maior que todos os seus predecessores nos cinco séculos passados. Uma vez, durante uma entrevista, João Paulo II falou sobre o dia mais feliz da sua vida: foi quando canonizou a irmã Faustina como a primeira santa do novo milênio.

Sínodos, encontros e audiências

O Pontífice presidiu 15 assembleias do Sínodo dos Bispos; se encontrou com mais de 17 milhões de pessoas em 1.164 audiências semanais. Ele visitou 317 das 333 paróquias romanas. Durante o seu papado, mais de mil chefes de Estado e de Governo passaram pelo Vaticano. Foi a pessoa mais vista da história da humanidade – estima-se que pelo menos 500 milhões de pessoas já tenham visto João Paulo II de pertinho.

Idiomas

Como Papa falava 9 idiomas com facilidade. Sabia polonês, latim, grego antigo, italiano, francês, alemão, inglês, espanhol e português. Durante sua juventude, esteve familiarizado com 12 idiomas.

O Papa João Paulo II visitou três vezes o Brasil

Proximidade do Papa João Paulo II com os jovens

O Santo Padre foi especialmente próximo dos jovens. Talvez o feito mais marcante nesse sentido tenha sido a criação da Jornada Mundial da Juventude, em 1984, que teve a belíssima edição no Brasil com a presença de mais de 3 milhões de jovens. E como sabemos, continua dando muitos frutos de conversão e de um renovado ardor na fé dos jovens do mundo inteiro. A próxima jornada será no Panamá, América Central.

O Papa João Paulo II e as Famílias

São João Paulo II, através dos seus ensinamentos, sempre buscou destacar o papel fundamental da família. Ela foi uma de suas maiores preocupações durante todo seu pontificado. Ele chamava a família de “Santuário da Vida”. Ao falar da família e da sociedade, por ocasião do Ano da Família, em 1994, São João Paulo II destacou: “Nenhuma sociedade humana pode correr o risco do permissivismo em questões de fundo relativas à essência do matrimônio e da família! Um tal permissivismo moral só pode causar danos às autênticas exigências da paz e da comunhão entre os homens. Compreende-se assim porque a Igreja defende vigorosamente a identidade da família e incita as instituições competentes… a não cederem à tentação de uma aparente e falsa modernidade”.

O Papa João Paulo II e a Mensagem de Fátima

A espiritualidade mariana de São João Paulo II o levou a uma vida inteiramente dedicada a Deus, principalmente os seus mais de 25 anos de pontificado, um dos mais longos da história da Igreja. O Papa foi eleito em 16 de Outubro de 1978, no auge do comunismo ateu e materialista que ele tanto condenou e trabalhou para extingui-lo. Consagrou seu pontificado à Nossa Senhora; no seu brasão colocou a frase “Totus tuus”.

Atentado

Dois anos depois de ser eleito papa, no dia 13 de maio de 1980, João Paulo II foi baleado na Praça de São Pedro, pelo turco Ali Agca, por ordem da KGB, polícia secreta russa, segundo o inquérito da polícia italiana: “Esta Comissão acredita, indubitavelmente, que a liderança da União Soviética tomou a decisão de eliminar o papa João Paulo II”, diz o relatório do inquérito.

O atentado ao Papa foi a “queima roupa”, uma das balas atingiu o seu abdome, e por milagre de Nossa Senhora ele não morreu. Ele disse depois que “uma mão puxou o gatilho, mas outra Mão dirigiu a bala”, de modo que esta não o matasse. O Papa se referia à proteção que Nossa Senhora de Fátima lhe dera.

A Mensagem de Fátima

Enquanto São João Paulo II se recuperava no hospital, pediu toda a informação sobre as aparições de Nossa Senhora de Fátima. Em julho de 1917, em sua terceira aparição, a Virgem Maria disse aos Pastorinhos, “(…) Deus quer estabelecer no mundo a devoção a Meu Imaculado Coração. Se fizerem o que Eu vos disser, salvar-se-ão muitas almas e terão paz. A guerra vai acabar. Mas, se não deixarem de ofender a Deus, no reinado de Pio Xl começará outra pior. Quando virdes uma noite alumiada por uma luz desconhecida, sabei que é o grande sinal que Deus vos dá de que vai a punir o mundo de seus crimes, por meio da guerra, da fome e de perseguições à Igreja e ao Santo Padre. (…) Para a impedir, virei pedir a consagração da Rússia a Meu Imaculado Coração e a Comunhão reparadora nos primeiros sábados. Se atenderem a Meus pedidos, a Rússia se converterá e terão paz; se não, espalhará seus erros pelo mundo, promovendo guerras e perseguições à Igreja. Os bons serão martirizados, o Santo Padre terá́ muito que sofrer, várias nações serão aniquiladas. Por fim, o Meu Imaculado Coração triunfará. O Santo Padre consagrar-Me-á a Rússia que se converterá e será concedido ao mundo algum tempo de paz”. (Memórias da Irmã Lúcia, p 177, 2013).

A missão de São João Paulo II

Depois esse terrível atentado protegido pela Virgem Santa Maria, o Papa João Paulo II se deu conta que o Santo Padre mencionado a mensagem de Fátima era ele. Desde então, o Pontífice começou a trabalhar para cumprir o segundo segredo de Fátima, no qual a Mãe de Deus pedia que se consagrasse a Rússia ao seu Imaculado Coração.

Uma imagem de Nossa Senhora de Fátima foi levada ao Santo Padre em Castel Gandolfo e ele pediu à Virgem que fosse construída uma pequena igreja na fronteira entre a Polônia e a então União Soviética. Por intercessão da Santíssima Virgem Maria, a igreja foi construída e a imagem foi colocada, olhando para a Rússia.

Em 13 de maio de 1981, o Papa foi a Fátima e levou a bala que o tinha atingido para ser colocada na coroa de Nossa Senhora de Fátima, como agradecimento por Ela lhe ter salvado a sua vida. Essa bala foi colocada na Coroa de Nossa Senhora, que as mulheres portuguesas mandaram confeccionar para agradecer a Virgem de Fátima por ter livrado Portugal de participar da Segunda Guerra Mundial, e não ver seus filhos morrerem em campos de batalhas. As mãos maternais de Nossa Senhora de Fátima e o trabalho de São João Paulo II mudaram a história do mundo.

Morte, beatificação e canonização

O Papa João Paulo II faleceu no dia 02 de abril de 2005, aos 84 anos. O Pontífice permaneceu na Cátedra de São Pedro por 26 anos e 5 meses, sendo em um dos líderes mais influentes do século XX, e tendo o terceiro pontificado mais longo em mais de 2000 anos de história da Igreja.

O processo de canonização de João Paulo II teve início no mesmo ano de sua morte, por desejo do Papa Bento XVI, que modificou a norma que dispensa os 5 anos necessários para iniciar-se uma causa, o que tornou o processo bem mais rápido do que os dos demais.

Em 2009, o mesmo Papa Bento XVI o proclamou “Venerável” (decreto que reconhece suas virtudes heroicas), o que ajudou no processo de beatificação onde faltaria apenas a existência de um milagre para completá-lo que não demorou a ser reconhecido. Tratava-se do caso da irmã Marie Simon-Pierre, que se curou do mal de Parkinson após intercessão do Papa João Paulo II).

Sendo assim, em 2011, João Paulo II foi beatificado em meio a outro fato inédito, já que até então, nenhum papa tinha proclamado beato o seu antecessor. Em 2013, foi aprovado o segundo milagre atribuído a seu nome, a cura de uma mulher bem na noite de sua beatificação. Esse passo foi fundamental para o seu processo de canonização.

O Papa das famílias foi canonizado no dia 27 de abril de 2014, no Domingo da Festa da Misericórdia, em Celebração presidida pelo Papa Francisco, na Cátedra de São Pedro, no Vaticano.

2018-11-13T19:05:13+00:00outubro 22nd, 2018|Artigos, Santo do Dia|Comentários desativados em São João Paulo II, o papa das famílias