Um convite à oração como caminho de salvação das almas

 

Segunda Aparição de Nossa Senhora de Fátima

Este 13 de Junho vem lembrar-nos a Segunda Aparição da Mãe de Deus aos três humildes Pastorinhos – Irmã Lúcia e os Santos Francisco e Jacinta Marto – fato que acontecida há 101 anos, na Cova da Iria, em Fátima, Portugal.

Os Pastorinhos notaram novamente um clarão, a que imaginavam ser um relâmpago. Mas, na verdade era o reflexo de uma luz que se aproximava. Além dos Pastorinhos, haviam outras pessoas, porém elas não viram Nossa Senhora.

Lucia foi a interlocutora com a “Senhora mais brilhante do que o Sol”. No diálogo, a Mãe de Jesus pediu às crianças: “Quero que venhais aqui no dia treze do mês que vem. Que Rezeis o Terço todos os dias, e que aprendais a ler. Depois direi o que quero”

“Quero que venhais aqui no dia treze do mês que vem. Que Rezeis o Terço todos os dias, e que aprendais a ler. Depois direi o que quero”

Lúcia, muito complacente, pediu a cura de uma pessoa doente. Mas Nossa Senhora lhe disse que, se a pessoa se convertesse, Ela curaria durante o ano.

Na interação, Lúcia perguntou se ela iria para o céu. Nossa Senhora responde que sim, mas os primos Jacinta e Francisco iriam primeiro. E ela, a Irmã Lúcia, permaneceria mais algum tempo, pois Jesus queria estabelecer o mundo ao Imaculado Coração.

Disse Nossa Senhora: “Sim; a Jacinta e o Francisco levo-os em breve. Mas tu ficas cá mais algum tempo. Jesus quer servir-Se de ti para Me fazer conhecer e amar. Ele quer estabelecer no mundo a devoção a Meu Imaculado Coração. (…) Filha (…) Não desanimes. Eu nunca te deixarei. O meu Imaculado Coração será o teu refúgio e o caminho que te conduzirá até Deus”, (Memória da Irmã Lúcia, p 175, 2013).

Após dizer suas últimas palavras, Nossa Senhora abriu as mãos e comunicou às crianças, pela segunda vez, o reflexo dessa luz imensa. Lúcia disse: “Nela nos víamos como que submergidos em Deus. A Jacinta e o Francisco parecia estarem na parte dessa luz que se elevava para o Céu e eu na que se espargia sobre a terra. À frente da palma da mão direita de Nossa Senhora, estava um coração cercado de espinhos que parecia estarem-lhe cravados. Compreendemos que era o Imaculado Coração de Maria, ultrajado pelos pecados da humanidade, que queria reparação” (Memória da Irmã Lúcia, p. 176, 2013)

“O meu Imaculado Coração será o teu refúgio e o caminho que te conduzirá até Deus”

O fiat de Maria mudou a história do mundo

O fiat de Maria, a palavra do seu Coração, mudou a história do mundo, porque introduziu neste mundo o Salvador: graças àquele «Sim», Deus pôde fazer-Se homem no nosso meio e tal permanece para sempre.

Maria Santíssima pediu a Lúcia que mantivesse em segredo este diálogo. Ao comentar esse Segredo, o Papa Emérito Bento XVI, na época Cardeal Ratzinger, observou: “ (…) a fé cristã em geral não pretende nem pode ser alimento para a nossa curiosidade. O que permanece — dissemo-lo logo ao início das nossas reflexões sobre o texto do «segredo» — é a exortação à oração como caminho para a «salvação das almas», e no mesmo sentido o apelo à penitência e à conversão.”! (Memória da Irmã Lúcia, p. 232, 2013.)

O Papa Emérito Bento XVI também escreveu, em seu texto publicado nas Memórias da Irmã Lúcia: “Queria, no fim, tomar uma vez mais outra palavra-chave do «segredo» que justamente se tornou famosa: «O meu Imaculado Coração triunfará». Que significa isto? Significa que este Coração aberto a Deus, purificado pela contemplação de Deus, é mais forte que as pistolas ou outras armas de qualquer espécie. O fiat de Maria, a palavra do seu Coração, mudou a história do mundo, porque introduziu neste mundo o Salvador: graças àquele «Sim», Deus pôde fazer-Se homem no nosso meio e tal permanece para sempre. Que o maligno tem poder neste mundo, vemo-lo e experimentamo-lo continuamente; tem poder, porque a nossa liberdade se deixa continuamente desviar de Deus. Mas, desde que Deus passou a ter um coração humano e deste modo orientou a liberdade do homem para o bem, para Deus, a liberdade para o mal deixou de ter a última palavra. O que vale desde então, está expresso nesta frase: «No mundo tereis aflições, mas tende confiança! Eu venci o mundo» (Jo 16, 33). A mensagem de Fátima convida a confiar nesta promessa.. (Memória da Irmã Lúcia, p. 227, 2013.)

Fonte: Memórias da Irmã Lúcia, 16 edição, Ano de 2013

2018-11-13T20:13:01+00:00junho 14th, 2018|Artigos, Formação, Menu Artigos, Notícias|Comentários desativados em Segunda Aparição: um convite à oração