Festa do Batismo do Senhor

A Festa do Batismo do Senhor, celebrada no domingo depois da Epifania, encerra o ciclo natalino e completa as Festas das Manifestações do Senhor. Contemplando o batismo de Cristo por João Batista, vemos Deus presente em meio à humanidade e sentimos a força da Santíssima Trindade. Esta festa também nos prepara para o início do Tempo Comum, na qual meditamos sobre a missão de Jesus. 

Para entendemos plenamente este momento, é preciso lembrarmos que o batismo promovido por João Batista era um “batismo de arrependimento”, como vemos no Evangelho de São Lucas. A ele recorriam os pecadores – prostitutas, fariseus, soldados, entre outros – na expectativa de uma nova vida. Mesmo não tendo pecados, Jesus se coloca no meio deles para ser batizado por João, assumindo os pecados de toda a humanidade! Num gesto de extrema humildade, ele se faz solidário com os homens para, posteriormente, com sua própria vida, salvar-nos dos pecados.

O batismo de Jesus é uma verdadeira epifania e nele reconhecemos a revelação das três pessoas da Santíssima Trindade: Jesus é ungido pelo Espírito Santo e confirmado pelo Pai, que o evidencia como Filho:

“Quando todo o povo ia sendo batizado, também Jesus o foi. E estando ele a orar, o céu se abriu e o Espírito Santo desceu sobre ele em forma corpórea, como uma pomba; e veio do céu uma voz: ‘Tu és o meu Filho bem-amado; em ti ponho minha afeição’.” (Lc 3, 21-22).

A partir desse momento, compreendemos melhor o que havia relatado o profeta Isaías: “Eis o meu servo, o meu eleito, ele trará o julgamento às nações. Eu te constituí como o centro de aliança do povo, luz das nações, para abrires os olhos dos cegos, tirar os cativos da prisão, livrar do cárcere os que vivem nas trevas”.

O Filho tão amado é também aquele que sofrerá, que se fará servo para nos redimir. O batismo de Jesus é, então, o início de sua missão salvadora. A partir daqui ele dá início ao Reino de Deus!