Como desenvolver empatia nas crianças?

A palavra empatia está na moda. Mas, embora o uso excessivo do termo acabe desvalorizando o seu conceito, este sentimento é valiosíssimo! A empatia é a capacidade de se colocar no lugar do outro, de se identificar com o outro a fim de compreender o que ele pensa ou como sente. É ela quem nos permite ficar feliz quando a outra pessoa está alegre ou entristecer-nos quando vemos a outra pessoa sofrer.

É a empatia que nos faz entender que o outro não é um inimigo, mas um próximo, um semelhante. É, portanto, algo muito afim com a nossa fé cristã. Sabe aquele ditado que diz “Não faça com os outros o que você não gostaria que fizessem com você”? É bem por aí…

Apesar de ser um sentimento bastante nobre, nós não nascemos com ele. Na verdade, as crianças, devido ao instinto de auto-preservação, tendem a ter dificuldade de enxergar empaticamente as outras pessoas, pois se colocam em primeiro lugar. Como, então, podemos ajudar nossos filhos a se tornarem seres empáticos? Separei cinco dicas para te ajudar!

1. Seja empático com seus filhos

Todos sabem que as crianças aprendem pelo exemplo. Então, para que eles se tornem pessoas empáticas, você deve, antes de tudo, demonstrar empatia por eles. Tente compreender o que os pequenos estão sentindo ou vivendo e converse com eles sobre isso, demonstrando que você está tentando compreender o ponto de vista deles e valorizar o que estão sentindo.

2. Mostre que o mundo não gira em torno dos pequenos

As crianças tendem a achar que são o centro do universo. Aos poucos, é preciso mostrar que, muitas vezes, as necessidades dos outros deverão vir em primeiro lugar. Use experiências do cotidiano para demonstrar isso: “agora você não pode ver TV, pois o papai tem que trabalhar e precisa de silêncio”, ou “hoje não vamos sair para tomar sorvete, pois precisamos levar a vovó ao médico”. A pandemia e sua necessidade de distanciamento social e medidas de prevenção é outra oportunidade: “Temos que usar máscaras e nos manter longe das outras pessoas para nos mantermos seguros, mas também, para manter os outros em segurança”.

3. Crie oportunidades para que as crianças exercitem a empatia

Como todo bom hábito, a empatia precisa ser exercitada. Crie momentos em que seus filhos possam fazer isso. Converse com eles sobre questões éticas que decorrem do noticiário, sobre alguma situação ocorrida na escola ou mesmo sobre alguma disputa entre irmãos. Peça que cada um dê seu ponto de vista e conduza a conversa perguntando o que cada um acha que o outro pensou ou sentiu naquela ocasião específica. Aos poucos, o olhar empático vai se fortalecendo.

4. Ajude as crianças a lidar com os sentimentos

Para os pequenos é muito difícil entender o lado do outro, especialmente se estiverem frustrados ou com raiva. Por isso, antes de tentar trabalhar a empatia, é preciso ajudá-los a compreender e aceitar os próprios sentimentos. O que ele está sentindo? Como é esse sentimento? Por que ele está se sentindo assim? O que pode ser feito para mudar esse sentimento? Depois que a criança compreender melhor o que se passa dentro dela própria, será mais fácil olhar para o outro.

5. Façam o bem em família

Uma excelente forma de exercitar a empatia é praticar a generosidade. Por que vocês não se engajam, juntos, em algum trabalho comunitário, que coloque os pequenos em contato com uma realidade diferente da deles e que demonstre que podemos fazer o bem aos outros seguindo o exemplo de Jesus Cristo?