Cinco maneiras de ensinar partilha e compaixão às crianças

A partilha é uma expressão concreta de misericórdia e compaixão. O próprio Jesus nos ensinou a sermos bons uns com os outros, a ajudar os demais: “Em verdade eu vos declaro: todas as vezes que fizestes isso a um destes meus irmãos mais pequeninos, foi a mim mesmo que o fizestes” (Mt 25, 40). Ajudar aqueles que estão sofrendo, seja por problemas emocionais ou por privação de bens materiais, é uma forma de estarmos mais próximos de Deus.

Se você tem filhos pequenos, deve estar se perguntando como ensiná-los a ter compaixão e partilhar. As crianças têm mais tendência a serem auto-centradas e, até certo ponto, egoístas. Isso é natural. Cabe a nós, pais, orientá-las e demonstrar a elas como é maravilhoso o dom da misericórdia.

1. Dividir não é perder

Você pode mostrar ao seu filho, no dia a dia, que ao dividir seus brinquedos com outras crianças, por exemplo, ele não perde o brinquedo. Ao contrário, ele ganha companhia e torna a brincadeira mais divertida. À medida em que ele vai crescendo, facilmente vai percebendo que partilhar é bom para ambas as partes e vai estendendo a prática para outras coisas além dos brinquedos: ele irá partilhar tempo, atenção, dinheiro, roupas etc, sempre que perceber que isso faz bem a outra pessoa.

2. Colocar-se no lugar do outro

Sempre que outra criança fizer algo pelo seu filho – seja emprestar um brinquedo, ajudá-lo a se recuperar de um tombo ou simplesmente chamá-lo para brincar – converse com ele para que perceba o ato generoso do outro e como ele se sentiu bem com isso. É uma forma mais concreta de expor os benefícios da compaixão e vai fazê-lo entender melhor como outras pessoas se sentem quando ele faz coisas semelhantes.

3. Faça um cofrinho da doação

Separe um cofrinho ou um pote transparente onde toda a família poderá colocar pequenas doações. Combinem o que será feito com o valor arrecadado: comprar alimentos para famílias em situação de risco, comprar brinquedos para crianças de baixa renda, ajudar um asilo ou orfanato, auxiliar algum trabalho assistencial da paróquia… O importante é dar concretude ao ato de doar. A criança precisa compreender com exatidão quem será beneficiado e de que forma. Se possível, leve-a para conhecer a realidade de quem receberá a doação. Assim, a cada moeda disposta no cofrinho, ela terá a percepção de efetivamente estar ajudando alguém.

4. Engajem-se em ações voluntárias

Dependendo da idade da criança, ela podem participar de diversas ações voluntárias. Vou deixar aqui alguns exemplos para inspirar você e sua família: ajudar na distribuição de comida a moradores de rua, auxiliar na entrega de doações em instituições de caridade, fazer visitas regulares a asilos, ajudar em aulas de reforço para crianças com problemas de escolaridade, auxiliar em atividades lúdicas voltadas para crianças menores, entre tantas outras!

5. Oração

Ensine aos seus filhos que a oração também é uma importante forma de misericórdia e de compaixão. Eles podem rezar tanto pelas pessoas conhecidas quanto por outras das quais sequer sabem o nome, mas que estão passando por dificuldades de toda ordem.