A visão de Jesus Misericordioso

Foi há exatos 90 anos que, em um convento na Polônia, a irmã Faustina Kowalska teve uma visão de Jesus que daria origem a uma das imagens mais veneradas em todo o mundo. Contou ela em seu diário: “À noite, quando me encontrava na minha cela, vi Nosso Senhor vestido de branco. Uma das mãos erguida para a benção, e a outra tocava-lhe a túnica, sobre o peito. Da túnica entreaberta sobre o peito saíam dois grandes raios, um vermelho e o outro pálido”.

A ela, Jesus pediu: “Pinta uma imagem de acordo com o modelo que estás vendo, com a inscrição: ‘Jesus, eu confio em Vós’. Desejo que esta Imagem seja venerada, primeiramente, na vossa capela e, depois, no mundo inteiro”.

A religiosa, que viria a se tornar Santa Faustina, perguntou a Jesus o significado dos raios. “Durante a oração, ouvi estas palavras interiormente: Os dois raios representam o sangue e a água: o raio pálido significa a Água que justifica as almas; o raio vermelho significa o Sangue, que é a vida das almas. Ambos os raios jorraram das entranhas da Minha misericórdia quando, na cruz, o Meu coração agonizante foi aberto pela lança. Estes raios defendem as almas da ira do Meu Pai. Feliz aquele que viver à sua sombra, porque não será atingido pelo braço da justiça de Deus”, relatou ela no seu diário espiritual.

Jesus fez grandes promessas àqueles que venerarem a Imagem da Misericórdia: “Por meio dessa Imagem concederei muitas graças às almas; que toda alma tenha, por isso, acesso a ela” (Diário, 570). “Prometo que a alma que venerar essa Imagem não perecerá. Prometo também, já aqui na terra, a vitória sobre os inimigos, e especialmente na hora da morte. Eu mesmo a defenderei como Minha própria glória” (Diário 48).

A imagem de Jesus Misericordioso é uma importante lembrança do infinito amor que Deus tem por nós e é um convite a deixarmos Jesus purificar nossas vidas. Que a misericórdia de Cristo seja nossa definitiva reconciliação com o Pai, sempre disposto a nos perdoar.